conecte-se conosco

Economia

Apenas 12,7% das notas de R$ 200 previstas entram em circulação; entenda

Publicado


source

Brasil Econômico

nota de R$200
Raphael Ribeiro/Banco Central do Brasil

Nota de R$ 200 tem demanda menor que a esperada

A nota de R$ 200 teve demanda abaixo da esperada, fazendo com que o Banco Central (BC) colocasse apenas 57,3 milhões de unidades em criculação, de acordo com informações da agência Folhapress.

O montante equivale a 12,7% do total de cédulas programado (450 milhões) para ser fabricado no ano passado. Até esta segunda-feira (11), as notas com a estampa do lobo-guará que entraram em circulação equivalem a R$ 11,4 bilhões – contra os R$ 90 bilhões esperados.

Desde setembro passado, quando a nota de R$ 200 foi lançada pelo BC , a prioridade foi a emissão de cédulas de R$ 100. De agosto para cá, mais de 150 milhões de unidades entraram em circulação.

A demanda observada pelo BC foi, na verdade, menor do que a esperada. Quando foi criada, a nota de R$ 200 surgiu sob a justificativa de um aumento de demanda por papel-moeda, sobretudo impulsionado pelo auxílio emergencial . Além disso, o aumento do entesouramento (quando o dinheiro em papel não circula na economia) foi expressivo no início da pandemia de Covid-19 .

Leia mais:  Bitcoin atinge máxima histórica e chega a R$ 71.265

Na prática, a demanda foi mais baixa que a esperada. “O BC sempre faz uma projeção para o ano de acordo com a demanda atual e ajusta a demanda ao longo do ano. Acredito que, como vivemos uma situação atípica, é melhor contratar a mais que ser pego de surpresa”, afirma Mauro Rochlin, economista da FGV, à Folhapress. O BC contrata a Casa da Moeda para fabricar as notas, mas isso só acontece se houver a demanda necessária.

“Talvez a medida tenha sido acertada, mas houve erro no cálculo. Na pandemia, embora tenha crescido a demanda por papel-moeda, aumentou muito o uso de aplicativos e de transações digitais”, completou o especialista.

Além disso, a chegada do Pix também pode ter sido um fator que influenciou para mais pessoas usarem as transações digitais em detrimento de papel-moeda. Em nota à Folhapress, o BC disse que o ritmo de uso da nota de R$ 200 “vem evoluindo em linha com o esperado, e deverá seguir em emissões ao longo dos próximos exercícios”.

Leia mais:  Air Transat realiza o voo mais longo do mundo utilizando o A321neo LR

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Fim do auxílio vai elevar a inadimplência no país, diz estudo

Publicado


source

Brasil Econômico

A conta de poupança social digital permite que as pessoas recebam o auxílio emergencial e outros benefícios sociais e previdenciários sem pagar qualquer tarifa
Marcello Casal Jr./Agência Brasil

A conta de poupança social digital permite que as pessoas recebam o auxílio emergencial e outros benefícios sociais e previdenciários sem pagar qualquer tarifa

Um estudo elaborado pelos Indicadores Econômicos da Boa Vista indica que o auxílio emergencial pago pelo Governo Federal contribuiu diretamente na queda de pagamentos atrasados, isto é – com datas de vencimento atrasadas em mais de 15 dias no segundo semestre de 2020.

Em abril do último ano, esses atrasos chegaram a 25,8% para beneficiários do auxílio. Em outubro, essa parcela caiu para 18,3%. Entre aqueles que não receberam o benefício, o valor caiu de 17,7% para 15,6%.

Você viu?

O estudo também conclui que o auxílio colaborou no pagamento de dívidas bancárias, o que teria sido responsável pela recuperação do crédito.

A taxa de inadimplência com recursos livres do consumidor encerrou 2020 em cerca de 4,3% – uma redução de 14% em relação ao mesmo período de 2019, quando marcava 5,0%.

Leia mais:  Auxílio emergencial vai até dezembro e muitos ficarão sem parcelas; entenda

É esperado que o fim do auxílio emergencial e dos prazos de carência para postergação de dívidas, sobretudo no segundo trimestre de 2020, provoque uma elevação nestes indicadores neste ano.

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Governo pagou R$ 162 em lata de leite condensado; veja valor de outros itens

Publicado


source
Governo Federal pagou R$ 162 em duas caixas de leite condensado
Divulgação

Governo Federal pagou R$ 162 em duas caixas de leite condensado

Após a informação divulgada na manhã desta terça-feira (26) de que o Governo Federal teria comprado R$ 15 milhões em leite condensado em 2020 , o Portal iG analisou algumas licitações de setembro do ano passado no Painel de Compras e constatou que o Ministério da Defesa gastou R$ 324 em duas caixas de leite condensado de 395 gramas. Os produtos, de acordo com o certame, são do tipo desnatado, com leite in natura e light.

No resultado da licitação, é possível encontrar cada unidade por R$162. Na internet, a reportagem encontrou o mesmo produto, com características semelhantes, por R$ 28.

Os resultados podem ser encontrados na licitação 77/2020, destinada ao 3º Esquadrão da Cavalaria do Exército , em setembro de 2020. O fornecedor é a Saúde & Vida Comercial de Alimentos.

Ainda no certame, o Governo Federal adquiriu 20 unidades de bacon defumado, com valor de R$ 31,20 a unidade. No total, só com este item, a União gastou R$ 624. O Ministério da Defesa solicitou, também, 54 unidades de creme de leite , gastando R$ 164, além de 60 kg de carne , totalizando R$ 2.005,50.

Leia mais:  Air Transat realiza o voo mais longo do mundo utilizando o A321neo LR

Em um certame anterior realizado com a mesma empresa, a terceira unidade da cavalaria adquiriu 24 unidades do mesmo leite condensado por mais R$ 324, ou seja, R$ 13,50 por unidade .

Você viu?

O Painel de Compras aponta que há três licitações registradas em dias diferentes, com os mesmos valores e produtos. A diferença fica por conta do valor das unidades e a quantidade adquirida pelo Ministério da Defesa.

Apenas com alimentação, 3º Esquadrão da Cavalaria do Exército gastou R$ 48.717,31 em setembro do ano passado.

O Portal iG tentou entrar em contato com a empresa Saúde & Vida Comercial de Alimentos por telefone, mas não obteve retorno. O Ministério da Defesa não respondeu os questionamentos feitos pela reportagem até a publicação da mesma.

Leia mais:  Demissão de Guedes: Ministério da Economia nega saída

Gastos com leite condensado

O gasto com leite condensado está entre os principais do Executivo federal, sob o comando do presidente Jair Bolsonaro , em 2020. De acordo com um levantamento do (M)Dados, núcleo de jornalismo de dados do Metrópoles , com base no Painel de Compras atualizado pelo Ministério da Economia , o gasto com o produto, que o presidente gosta de comer com pão, ultrapassou os R$ 15 milhões.

De acordo com o levantamento, o órgão que mais gastou foi o Ministério da Defesa, que totalizou mais de R$ 632 milhões em gastos alimentares. Só de vinho, a pasta ultrapassou os R$ 2,5 milhões.

O Ministério da Economia justificou que a maior parte do gasto com alimentação é do Ministério da Defesa “porque se refere à alimentação das tropas das forças armadas em serviço”. A pasta ainda acrescentou que “toda despesa efetuada pela Administração Pública Federal está dentro do orçamento”.

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

TCU vê irregularidades no uso de dinheiro do SUS para distribuição de cloroquina

Publicado


source
Ministro tem cinco dias para prestar esclarecimentos ao TCU
Agência Brasil

Ministro tem cinco dias para prestar esclarecimentos ao TCU

A área técnica do Tribunal de Contas da União (TCU) concluiu “não haver amparo legal” para o uso de recursos do Sistema Único de Saúde (SUS) na distribuição de cloroquina e hidroxicloroquina no tratamento para Covid-19 . A informação foi revelada pelo jornal “Folha de S.Paulo”.

O documento, elaborado pela Secretaria de Controle Externo da Saúde (SecexSaúde) , foi citado pelo ministro Benjamin Zymler em despacho da última sexta-feira. Segundo a auditoria, há algumas situações em que é possível usar um remédio contra uma doença para a qual ela não é indicado. Mas há algumas regras que precisam ser seguidas, como uma autorização expedida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) . Durante a pandemia, a regra foi flexibilizada, bastando uma autorização emitida por uma das quatro agências equivalentes à Anvisa nos Estados Unidos, União Europeia, China e Japão.

De acordo com a SecexSaúde, isso não teria ocorrido no caso da cloroquina e da hidroxicloroquina, medicamentos indicados para outras doenças, como lúpus, artrite e malária, mas não para Covid-19.

Leia mais:  Auxílio emergencial vai até dezembro e muitos ficarão sem parcelas; entenda

“Desta feita, como não houve manifestação da Anvisa acerca da possibilidade de se utilizar os medicamentos à base de cloroquina para tratamento da Covid-19 e tampouco dos órgãos internacionais antes mencionados, verifica-se não haver amparo legal para a utilização de recursos do SUS para o fornecimento desses medicamentos com essa finalidade”, diz trecho do despacho do ministro Zymler.

Ele destacou ainda que, mesmo no documento recomendando o uso dos remédios, “está expresso nas orientações do Ministério da Saúde que faltam evidências científicas da eficácia e segurança da terapêutica proposta.”

Você viu?

Zymler ressaltou também posições contraditórias do ministério e do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello , que recentemente vem dizendo que não indica qualquer remédio no enfrentamento à doença, mas apenas orienta as pessoas a procurar cedo os serviços de saúde caso tenham sintomas.

Leia mais:  Vídeo: Em dia de recessão recorde, Bolsonaro chora morte do autor de seu jingle

“Consoante apontado pelos dirigentes da SecexSaúde, as manifestações do titular da Pasta são contraditadas pelos documentos emitidos pelo Ministério, os quais indicam os medicamentos a serem utilizados, com as respectivas posologias, para o tratamento da Covid19. Outro ponto de realce é que Ministério da Saúde disponibilizou aplicativo para profissionais de saúde que estimula a prescrição de medicamentos à base de cloroquina para o tratamento da Covid-19”, escreveu Zymler.

O ministro do TCU deu cinco dias para que o Ministério da Saúde informe qual a sua posição oficial e seus fundamentos. A pasta terá o mesmo prazo para dar explicações sobre o TratCov , o aplicativo que permitia a prescrição de cloroquina, mas, após repercussão negativa, ficou indisponível.

Procurado, o Ministério da Saúde ainda não se manifestou.

Comentários Facebook
Continue lendo

R$ 156,72

Peixoto de Azevedo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Política Nacional

Mais Lidas da Semana





Copyright © 2018 - REDE CENTRO NORTE DE COMUNICAÇÃO LTDA-ME - CNPJ: 34.052.986/0001-65 | Peixoto de Azevedo - MT
Desenvolvido por InfocoWeb - 66 9.99774262