conecte-se conosco


Política Nacional

Bolsonaro amplia proibição a celulares durante reuniões oficiais do governo

Publicado


Alvo de vazamentos de conversas com ministros, Jair Bolsonaro adotou regra mais dura contra celulares em reuniões
Isac Nóbrega/PR

Alvo de vazamentos de conversas com ministros, Jair Bolsonaro adotou regra mais dura contra celulares em reuniões

O presidente Jair Bolsonaro não gostou de ter conversas suas com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorezoni (DEM-RS), e com o ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência Gustavo Bebianno vazadas à imprensa nos últimos dias. Como resposta, adotou uma nova regra para quem se reúne com ele: nenhum celular entra. 

Leia também: “Nenhum filho meu manda no governo”, afirma Bolsonaro

O confisco de aparelhos de celulares é uma medida de proteção usada por Jair Bolsonaro
não só em seu gabinete, mas em todas as reuniões das quais tem participado. A prática já era adotada por outros presidentes, mas foi ampliada na gestão atual. Agora, por exemplo, qualquer pessoa que entra na sala do vice-presidente, Hamilton Mourão, em seu gabinete, também é convidado a deixar o celular do lado de fora.

De acordo com o jornal O Estado de S.Paulo
, até o secretária de imprensa, tenente-coronel Alexandre de Lara, passou a exigir esta semana que os jornalistas também não entrem em seu gabinete com celulares.

Leia mais:  MP institui programa para estimular empregos para mulheres e jovens

Leia também: “Nunca imaginei que seria um presidente tão fraco”, diz Bebianno sobre Bolsonaro

Deputados que estiveram no Palácio da Alvorada
para se reunir com o presidente nesta semana contaram que, no gabinete de Bolsonaro, havia um local designado para deixar os aparelhos na entrada da sala de reuniões. No Palácio do Planalto, uma caixinha no corredor que antecede o gabinete presidencial faz este papel também.

Na semana passada, o jornal O Globo
publicou uma matéria baseada em um áudio vazado, que teria sido ouvido por meio de um telefonema, aparentemente acidental, de Onyx Lorenzoni
a um repórter da publicação. No áudio, Bolsonaro pediu para que o ministro da Casa Civil procurasse o ex-ministro Bebianno para apaziguar as relações entre o governo e o ex-coordenador da campanha presidencial do PSL.

Leia também: Em telefonema “acidental”, presidente pede que Onyx faça acordo com Bebianno

Bebianno, por sua vez, deixou vazar conversas de WhatsApp com o presidente depois que foi exonerado do governo. Os áudios contestam acusações do presidente e de seu filho, o vereador Carlos Bolsonaro, de que Bebianno teria mentido sobre ter falado com Jair Bolsonaro
enquanto ele estava internado em São Paulo.

Leia mais:  Projeto amplia faixa etária do Benefício Primeira Infância

Comentários Facebook
publicidade

Política Nacional

Jair Bolsonaro compara chapa Lula-Alckmin com Marcola e Beira-Mar

Publicado

Jair Bolsonaro no Flow Podcast
Reprodução

Jair Bolsonaro no Flow Podcast

Em entrevista realizada no Flow Podcast na noite desta segunda-feira (8), o presidente  Jair Bolsonaro comparou a chapa de Lula e Alckmin nas eleições presidenciais com dois ex-narcotraficantes brasileiros. 

“Marcola e Beria-mar se unindo para combater o narcotráfico no Brasil, é por aí”, afirmou o chefe executivo do país durante a conversa. De acordo com Bolsonaro, os brasileiros cansaram do PSDB e do PT.

Dúvidas em relação às urnas

Durante a entrevista, o presidente colocou, mais uma vez, a lisura do processo eleitoral deste ano. Jair criticou diversas vezes o fato da apuração das urnas não ser pública no país. 

“Acreditar na urna eletrônica, você pode acreditar. Mas você acredita em quem faz o programa? Por que é em uma sala a apuração? A lei diz que a apuração tem que ser pública”, ressaltou.

“E eu não to com medo de perder a eleição. Se eu quisesse dar golpe eu não falaria nada, deixa correr e no último dia daria o golpe. Por que essa acusação de golpista pra cima de mim? Nossa palavra é transparrência”, completou o presidente. 

Leia mais:  Projeto amplia faixa etária do Benefício Primeira Infância

Daniel Silveira

O caso Daniel Silveira também foi pauta da conversa. O candidato do PL à reeleição criticou novamente a decisão do STF em prender o deputado federal pelo Rio de Janeiro. 

“Quando saiu da esfera do Supremo, quando Daniel foi condenado pelo STF por palavras a 9 anos de cadeia, a começando em regime fechado, em menos de 24 horas eu concedi a graça, o indulto. Era legal”, afirmou.

Bolsonaro completou destacando que pode “brigar contra qualquer um”, menos contra a sua própria consciência. Além disso, ele voltou a jogar luz sobre o tema da liberdade de expressão. 

“Um poder não é melhor do que o outro e a questão da liberdade de expressão é sagrada.”

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Leia mais:  Projetos da bancada feminina estão na pauta do Plenário

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

Aras pede ao STF para rejeitar denúncia da Lava-Jato contra Aécio

Publicado

Deputado Aécio Neves (PSDB-MG)
Câmara dos Deputados

Deputado Aécio Neves (PSDB-MG)

procurador-geral da República Augusto Aras recuou de uma denúncia movida por sua própria equipe em abril de 2020 contra o deputado Aécio Neves (PSDB-MG), sob acusação de pagamentos de propina de R$ 65 milhões pelas empreiteiras Odebrecht e Andrade Gutierrez, e pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a rejeição da ação, decorrente das investigações da Lava-Jato.

Na manifestação enviada nesta segunda-feira ao STF, Aras argumenta que as mudanças aplicadas pelo Pacote Anticrime aprovado no final do ano de 2019 impedem a apresentação de denúncia com base apenas em provas entregues por delatores.

A acusação, entretanto, trazia, por exemplo, comprovantes de transferências feitas para contas no exterior atribuídas a um aliado de Aécio Neves.

É a segunda vez que Aras recua de uma denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR). Em 2020, a PGR voltou atrás de uma acusação feita três meses antes contra o presidente da Câmara Arthur Lira (PP-AL), também decorrente da Lava-Jato.

Leia mais:  Presidente da Anatel

No pedido encaminhado ao ministro Edson Fachin, relator do inquérito contra o tucano, Aras argumenta que a denúncia oferecida pelo MPF “tem como elemento probatório central” os depoimentos dos colaboradores Marcelo Odebrecht, Henrique Valladares, Otávio Marques de Azevedo, Rogério Nora de Sá, Flávio Gomes Machado, Flávio David Barra e Maria Clara Chuff Soares.

A PGR pondera, então, que a reforma legislativa operada pelo Pacote Anticrime “introduziu a impossibilidade de que seja recebida a denúncia (ou a queixa-crime) com base exclusivamente nas declarações do colaborador”.

“Esse tema estava sujeito a entendimentos divergentes no Supremo Tribunal Federal, tendo em vista que parte dos Ministros admitiam o recebimento da denúncia fundada exclusivamente nas declarações do colaborador; outra parte, não”, defende a PGR.

Para Aras, com a mudança legislativa, a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal “pacificou-se, de forma unânime, no sentido de que a mera palavra do colaborador e os elementos de informação apresentados por eles não seriam suficientes para o recebimento da denúncia”.

O procurador-geral citou como exemplo o julgamento, pela Segunda Turma, que em março de 2021 rejeitou denúncia contra os deputados federais Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), Arthur Lira (PP-AL) e Eduardo da Fonte (PP-PE) e o senador Ciro Nogueira (PP-PI) pela prática do crime de organização criminosa.

E outros pontos, a decisão levou em consideração a aprovação do pacote anticrime por proibir o recebimento de denúncia com base apenas nas declarações dos colaboradores premiados.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

Censo 2022 levantará dados para atualizar políticas públicas

Publicado

Começou na semana passada o censo demográfico, que foi adiado, em 2020, por causa da pandemia da covid-19, e em 2021, por conta de cortes no Orçamento. Até o início de novembro, recenseadores do IBGE estarão coletando dados sobre a população do país nos 5.570 municípios. Senadores ressaltaram a importância do levantamento para a aplicação de políticas públicas.

Fonte: Agência Senado

Comentários Facebook
Leia mais:  Projetos da bancada feminina estão na pauta do Plenário
Continue lendo

BRABINHO OURO INFORMA

R$ 308,54

Peixoto de Azevedo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Política Nacional

Mais Lidas da Semana





Copyright © 2018 - REDE CENTRO NORTE DE COMUNICAÇÃO LTDA-ME - CNPJ: 34.052.986/0001-65 | Peixoto de Azevedo - MT
Desenvolvido por InfocoWeb - 66 9.99774262