conecte-se conosco


Política Nacional

Como Bivar articula para ter Lula em seu palanque no 1° turno

Publicado

Luciano Bivar deve ter Lula em seu palanque no primeiro turno
Reprodução/Instagram

Luciano Bivar deve ter Lula em seu palanque no primeiro turno


Luciano Bivar (União Brasil) está muito próximo de anunciar a retirada da sua candidatura à presidência para concorrer a deputado federal por Pernambuco. Para alcançar uma vaga no Congresso Nacional, o presidente do UB quer ter em seu palanque o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Inicialmente, quando as negociações eleitorais tiveram início, Bivar jamais cogitou estar do lado do candidato do Partido dos Trabalhadores. Na avaliação dele, o União Brasil tinha que fazer parte da terceira via por acreditar numa agenda mais liberal.

No entanto, com o fracasso de João Doria (PSDB) e Sergio Moro (União Brasil), Luciano passou a procurar alternativas para que a sua sigla não ficasse enfraquecida no Congresso Nacional. Uma delas, por exemplo, foi dar independência aos diretórios estaduais.

A proximidade com o PT ocorreu por conta de uma insatisfação de Bivar com Rodrigo Garcia (PSDB), candidato ao governo de São Paulo. O presidente do UB disse, em entrevista para a CNN Brasil, que não teria nenhum problema em fechar um acordo com Fernando Haddad (PT), candidato também ao Palácio dos Bandeirantes.

Tal frase chamou a atenção do ex-prefeito paulistano, que pegou o telefone e ligou para conversar com o deputado. Apesar do diálogo ter sido satisfatório para Luciano, o União Brasil optou por fechar o acordo com Garcia, mas um caminho foi aberto para que o ex-aliado de Bolsonaro conversasse com Lula.

Lula e a procura por um grande partido de centro-direita

O ex-presidente trabalhou ao longo de 2021 para que todos os principais partidos de esquerda estivessem na sua coligação. Ele conseguiu fechar com o PCdoB, PV, PSB, Solidariedade, PSOL e Rede Sustentabilidade. Só o PDT preferiu ficar de fora, mantendo a candidatura de Ciro Gomes.

Leia mais:  Comissão especial aprova PEC do Estado de Emergência

O petista então iniciou as articulações para atrair partidos de centro e centro-direita em seu grupo. Conseguiu conquistar uma ala do MDB ao seu lado, no entanto, a sigla segue com a candidatura de Simone Tebet. Já a negociação com Kassab foi enorme, porém, o PSD será independente no primeiro turno.

Lula acredita que o MDB não fará uma grande bancada no Congresso Nacional e, por conta disso, não vê condições para que alguém da legenda consiga ser presidente da Câmara ou do Senado.

Em relação ao PSD, o ex-presidente aposta que Rodrigo Pacheco será reeleito. Por conta disso, ele quer outro partido presida a Câmara dos Deputados. O União Brasil surgiu como uma grande oportunidade.

União Brasil e Lula

Bivar ficou satisfeito com o fato do vice de Lula ser o ex-governador Geraldo Alckmin (PSB). Ao conversar com o ex-presidente, soube que algumas pautas defendidas pelo União Brasil fazem parte dos planos do petista e isso pode ser um trunfo para convencer seu partido a estar ao lado de um possível governo de esquerda.

Outro ponto que o interessou foi a promessa de ter o ex-presidente na articulação para transformá-lo o chefe da Câmara. Para isso, Lula estaria no mesmo palanque que Bivar em Pernambuco para elegê-lo deputado. A expectativa do União Brasil é ter dois candidatos vitoriosos para ocuparem cargos na Casa de Leis.

Leia mais:  Paim defende diligência da CDH em terras yanomâmis

O presidente do UB deixou claro que dificilmente a agremiação estará no primeiro turno com a esquerda. Isto porque houve muita demora para que as conversas andassem e agora há alianças fechadas nas esferas estaduais.

Na sequência, Bivar trabalharia para fazer o União Brasil desembarcar na candidatura de Lula em um eventual segundo turno. Caso a vitória petista ocorra no primeiro, as negociações serão em torno da presidência da Câmara e para que sua sigla esteja com o PT durante o governo.

As maiores preocupações dos petistas estão em cima de Sergio Moro, Rosangela Moro e membros do MBL. No entanto, Bivar deixou claro que isso não será problema. No seu cálculo, o partido conseguirá eleger uma bancada com 50 deputados. Ele garantiu que, pelo menos 40, estarão com o ex-presidente.

Porém, antes de bater o martelo, Bivar conversará com Miguel Coelho, Fernando Bezerra e outros aliados. Se a maioria concordar com o plano, ele seguirá em frente.


Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
publicidade

Política Nacional

Processo Legal

Publicado

A Comissão de Fiscalização e Controle (CFTC) do Senado aprovou requerimento para realização de audiência sobre violação de devido processo legal, direitos e garantias individuais e sistema acusatório.

Mais informações a seguir

Fonte: Agência Senado

Comentários Facebook
Leia mais:  Paim defende diligência da CDH em terras yanomâmis
Continue lendo

Política Nacional

Tiririca perde numeração para Eduardo Bolsonaro após guerra interna

Publicado

Tiririca perdeu sua numeração para Eduardo Bolsonaro
Reprodução

Tiririca perdeu sua numeração para Eduardo Bolsonaro

O deputado federal Tiririca saiu derrotado na disputa interna com o colega Eduardo Bolsonaro para a escolha do número para a eleição que ocorrerá em outubro. O humorista queria concorrer com a numeração “2222”, mantendo a tradição desde 2010, mas o presidente do PL, Valdemar Costa Neto, optou por entregar a identificação para o filho do presidente Jair Bolsonaro.

A confusão começou em maio, quando Tiririca afirmou publicamente que o partido iria retirar sua numeração para entregar ao filho número 03 do chefe do executivo federal.

“Sem meu número, o ‘2222’, eu não saio candidato. Estou super chateado, achei uma falta de respeito do partido. Quando precisaram de mim, ajudei a eleger um monte de deputado”, desabafou o comediante na ocasião.

A reclamação não era por acaso. O entendimento dentro da sigla é que o “2222” é muito fácil de ser memorizado e isso permite que o candidato seja favorecido. Por isso o humorista entrou em guerra interna com Eduardo.

Leia mais:  Cabo Daciolo disputa nome do PDT-RJ ao Senado com líder do candomblé

Após um período de negociações, Tiririca aceitou em entregar a identificação para o deputado Bolsonaro e concorrer com a identificação “2255”.

O humorista foi o parlamentar mais votado em 2010, alcançando 1.353.798, e o segundo em 2014, conquistando 1.016.796. Já Eduardo atingiu o primeiro lugar em 2018, recebendo 1.843.735.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

Marcos Valério

Publicado

A Comissão de Fiscalização e Controle aprovou a realização de audiência pública para ouvir o publicitário Marcos Valério, condenado no Mensalão, que deve esclarecer declarações dadas em depoimento à Polícia Federal. (REQ 45/2022)

Mais informações a seguir

Fonte: Agência Senado

Comentários Facebook
Leia mais:  Em nota, PF rebate críticas de Moro e diz que ex-ministro 'mente'
Continue lendo

BRABINHO OURO INFORMA

R$ 308,54

Peixoto de Azevedo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Política Nacional

Mais Lidas da Semana





Copyright © 2018 - REDE CENTRO NORTE DE COMUNICAÇÃO LTDA-ME - CNPJ: 34.052.986/0001-65 | Peixoto de Azevedo - MT
Desenvolvido por InfocoWeb - 66 9.99774262