Connect with us

A Comissão de Transparência, Fiscalização e Controle e Defesa do Consumidor (CTFC) pode aprovar nesta terça-feira (12) um requerimento para que o colegiado realize uma audiência pública com representantes do Ministério da Educação (MEC) e do Ministério Público Federal (MPF) sobre fraudes cometidas em cursos superiores a distância.

O requerimento foi apresentado por Rodrigo Cunha (PSDB-AL), que preside a comissão. O senador lembra que recentemente o Ministério da Educação suspendeu 27 faculdades devido à oferta irregular de cursos superiores. As instituições estavam localizadas em 14 estados, o que mostra que o problema é de dimensão nacional.

O parlamentar também se vale de investigação recente de comissão parlamentar de inquérito (CPI) na Assembleia Legislativa de Pernambuco, dando conta que somente naquele estado mais de 80 mil estudantes foram enganados por faculdades que ofereciam cursos superiores a distância sem autorização do MEC. Essa situação fez com que dezenas de milhares de alunos recebessem diplomas que, na prática, não valem nada. Cunha ainda acrescenta que o mesmo ocorreu em Alagoas, onde mais de 20 mil alunos nas cidades de Penedo, Piranhas, Pão de Açúcar, entre outras, “têm diplomas na mão sem nenhum valor, porque fizeram cursos a distância oferecidos por empresas que só tinham autorização para atuar presencialmente”.

Leia mais:  Estatuto da Juventude

“Instituições de ensino, muitas vezes utilizando publicidade enganosa ou abusiva, promovem cursos de graduação a distância cujos diplomas não podem ser registrados. Uma situação que traz prejuízos a alunos que investiram tempo e recursos na capacitação”, protesta o senador no requerimento.

Além de representantes do MEC e do MPF, Cunha também solicita a presença, na audiência, de representantes da Associação Brasileira de Educação a Distância (Abed), do Movimento Diploma Legal, da Secretaria Nacional do Consumidor e da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior.

Comentários Facebook
Advertisement

Política Nacional

Projeto permite que valor arrecadado com multa financie pagamento por serviços ambientais

Published

on

Elaine Menke/Câmara do Deputados
O papel do financiamento na retomada do crescimento da economia. Dep. Jose Mario Schreiner MDB - GO
Jose Mario Schreiner, autor do projeto de lei

O Projeto de Lei 1506/22 permite que os valores arrecadados com multas ambientais sejam usados para financiar o pagamento por serviços ambientais. O texto tramita na Câmara dos Deputados.

A proposta também permite a conversão das multas em ações do Programa Federal de Pagamento por Serviços Ambientais (PFPSA). Com a medida, o autuado terá descontos na multa ao financiar ações previstas no PFPSA.

O pagamento por serviços ambientais é um instrumento financeiro regulado pela Lei 14.119/21, que remunera produtores rurais, agricultores familiares e comunidades tradicionais que preservam a sua área.

O texto é do deputado Jose Mario Schreiner (MDB-GO). Ele afirma que o objetivo é ampliar o número de fontes de financiamento da Política Nacional de Pagamentos por Serviços Ambientais (PNPSA), que foi instituída pela Lei 14.119/21.

“A aprovação deste projeto de lei trará uma nova fonte de pagamento por serviços ambientais, dinamizando ainda mais o desenvolvimento sustentável no País, com mais empregos e mais incentivos a práticas ecológicas”, diz Schreiner.

Leia mais:  Projeto mantém delegação de cartório após aposentadoria voluntária de titular

Ele lembra ainda que dispositivo semelhante estava presente no projeto de lei que deu origem à Lei 14.119/21, mas acabou derrubado durante a votação da matéria no Plenário da Câmara.

Tramitação
O projeto será analisado em caráter conclusivo pelas comissões de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei

Reportagem – Janary Júnior
Edição – Pierre Triboli

Fonte: Câmara dos Deputados Federais

Comentários Facebook
Continue Reading

Política Nacional

“A fome é séria na Europa. Sem o Brasil, passam fome”, diz Bolsonaro

Published

on

Jair Bolsonaro citou Macron em seu discurso
Reprodução/YouTube – 17.08.2022

Jair Bolsonaro citou Macron em seu discurso

Nesta quarta-feira (17), o presidente Jair Bolsonaro alfinetou o presidente da França, Emmanuel Macron, e afirmou que a Europa tem passado por problemas de abastecimento, correndo sério risco da população passar fome. Na opinião dele, o continente europeu necessita do Brasil.

“Há 40 dias, pegou fogo nas poucas florestas da França. Imagina se fosse ao contrário, o que diria o Macron daqui do Brasil. Nós lamentamos, até porque tudo isso está associado à onda de calor, e tem matado muita gente […] Eles estão com problemas sérios e começa a aparecer o fantasma do desabastecimento”, disse o presidente.

Após provocar o presidente francês, Bolsonaro explicou ao público que os incêndios atingiram outros países, como a Espanha. Ele então comentou que os líderes europeus querem fechar o mais rápido possível um acordo com o Mercosul para resolver o problema de desabastecimento. “A fome não é apenas uma preocupação, é uma coisa muito séria na Europa no momento. O mundo sabe que sem o Brasil, eles passam fome”, completou.

Leia mais:  Simone pede informações ao governo sobre venda de fábrica de fertilizantes

A fala foi feita durante a reunião com prefeitos de cidades brasileiras no hotel Royal Tulip, em Brasília.

Bolsonaro cutuca Alckmin e Lula

Durante seu discurso, o chefe do executivo federal resolveu defender as ações do seu governo no combate à corrupção e aproveitou para provocar Geraldo Alckmin (PSB) e mandar indireta ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

“Alguns querem voltar? Voltar para que? Voltar para a cena do crime, como disse o seu Geraldo Alckmin? Parece que é o que alguns querem no Brasil”, comentou.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Continue Reading

Política Nacional

Maioria dos candidatos ao Senado é formada por homens brancos, casados e com ensino superior

Published

on

Eleições 2022

Segundo a Justiça Eleitoral, 235 candidatos vão disputar uma das 27 vagas ao Senado em outubro. A maioria é formada por homens brancos, casados e com o ensino superior. A grande parte é formada por políticos, empresários, servidores públicos e médicos. O consultor do Senado, Arlindo Fernandes, afirmou que o perfil dos candidatos é quase o mesmo da legislatura atual. Ao citar que apenas 10% dos postulantes ao Senado são negros, o senador Paulo Paim (PT-RS) destacou que houve um pequeno aumento de pessoas pretas disputando cargos políticos no país como um todo.

Fonte: Agência Senado

Comentários Facebook
Leia mais:  Senado analisa MP para doação de vacinas anticovid a outros países
Continue Reading

Mais Lidas da Semana

Copyright © 2018 - REDE CENTRO NORTE DE COMUNICAÇÃO LTDA-ME - CNPJ: 34.052.986/0001-65 | Peixoto de Azevedo - MT
Desenvolvido por InfocoWeb - 66 9.99774262