Connect with us

Governo federal decretou o corte de 21 mil cargos do serviço público
Geraldo Magela/Agência Senado – 8.2.19

Governo federal decretou o corte de 21 mil cargos do serviço público

O governo federal cortou 21 mil cargos, funções comissionadas e gratificações do serviço público. A medida estava prevista na  lista de metas para os 100 primeiros dias de governo
do presidente Jair Bolsonaro (PSL) e foi publicada nesta quarta-feira (13) no Diário Oficial da União.

Com os cortes, o governo federal
espera poupar R$ 195 milhões por ano. A redução da máquina pública é um dos pontos centrais da nova gestão. Paulo Guedes, ministro da Economia, diz entender o corte de gastos e o enxugamento do estado brasileiro como prioridades.

A maior parte dos cargos cortados não deve gerar demissões, uma vez que a maioria das vagas são uma espécie de adicional pago ao servidor público que passa a exercer determinada função. No entanto, os eventuais ocupantes das vagas que tiverem entrado nos cortes ficam automaticamente dispensados ou exonerados. O governo não informou o número de postos já desocupados e as áreas e postos afetados pelas extinções.

Atualmente, a administração federal tem cerca de 120 mil cargos em comissão, funções e gratificações. O decreto
extingue 17,5 mil postos, sendo 5.100 imediatamente. Os 12,4 mil cargos restantes deixarão de existir em 31 de julho deste ano.

Para completar o total de 21 mil cargos, faltam ainda 3,5 mil vagas na administração federal. Esse contingente se refere ao número de vagas barradas, ou seja, que não poderão ser ocupadas. Imediatamente, são mais 1.500 cortes, além de 2.000 em 30 de abril. 

Leia mais:  Saque extraordinário do FGTS: golpistas criam aplicativo fake; confira

As metas do governo federal para os primeiros 100 dias


Governo federal cumpriu meta de cortar cargos da administração pública
Reprodução/Flickr/Governo de Transição

Governo federal cumpriu meta de cortar cargos da administração pública

As 35 metas para os primeiros 100 dias de governo Bolsonaro
foram apresentadas, em 23 de janeiro, por Onyx Lorenzoni, ministro-chefe da Casa Civil, enquanto o presidente estava em Davos, para sua participação no Fórum Econômico Mundial
.

A promessa que mais chamou atenção foi justamente a de reduzir consideralvemente a máquina administrativa, que será cumprida após a publicação do decreto desta quarta-feira. A estimativa do governo já era extinguir 21 mil funções comissionadas e gratificações.

Confira as medidas propostas por Onyx Lorenzoni:

  • Estímulo à agricultura familiar (Agricultura);
  • 13º benefício do Bolsa Família (Cidadania);
  • Modernização do Bolsa Atleta (Cidadania);
  • Implantação do Centro de Testes de Tecnologia de Dessalinização (Ciência e Tecnologia);
  • Programa Ciência na Escola (Ciência e Tecnologia);
  • Plano Nacional de Segurança Hídrica (Desenvolvimento Regional);
  • Combate às fraudes nos benefícios do INSS (Economia);
  • Redução da máquina administrativa (Economia);
  • Intensificação do processo de inserção econômica internacional (Economia);
  • Vinculação da autorização de concursos públicos à adoção de medidas de eficiência administrativa (Economia);
  • Sine aberto (Economia);
  • Alfabetização Acima de Tudo (Educação);
  • Privatizações no Setor de Transportes (Infraestrutura);
  • Decreto de facilitação da posse de armas (Justiça);
  • Projeto de Lei Anticrime (Justiça);
  • Apoio à Operação Lava Jato (Justiça);
  • Aprimorar o Sistema de Recuperação Ambiental (Meio Ambiente);
  • Plano Nacional para Combate ao Lixo no Mar;
  • Viabilizar o leilão de excedente da cessão onerosa (Minas e Energia);
  • Campanha nacional de combate ao suicídio e à automutilação de crianças, adolescentes e jovens;
  • Regulamentação de partes da Lei Brasileira de Inclusão (Mulher, Família e Direitos Humanos);
  • Educação domiciliar
     (Mulher, Família e Direitos Humanos);
  • Redução tarifária do Mercosul (Relações Exteriores);
  • Retirada do Brasil do padrão de passaporte do Mercosul e retomar o brasão da República como identidade visual nesse documento (Relações Exteriores);
  • Fortalecer a vigilância e aumentar a cobertura vacinal (Saúde) Melhorar o ambiente de negócios do turismo e potencializar a atração de investimentos para o Brasil (Turismo);
  • Reestruturar a Empresa Brasileira de Comunicação (Secretaria de Governo);
  • Racionalizar e modernizar estruturas e processos ministeriais (Secretaria-Geral);
  • Regras e critérios para ocupação de cargos de confiança (CGU);
  • Programa “Um por Todos e Todos por Um!” pela ética e cidadania (CGU);
  • Criação do comitê de combate à corrupção no governo federal (CGU);
  • Sistema Anticorrupção do Poder Executivo Federal (CGU) Atendimento eletrônico de devedores dos órgãos federais (AGU);
  • Independência do Banco Central (BC); e
  • Critérios para dirigentes de Bancos Federais (BC).
Leia mais:  Com combustíveis em alta, motoristas dão dicas de como economizar

Outra medida que deve ser cumprida pelo governo federal
na área econômica é a 13ª parcela do Bolsa Família
, promessa de campanha do presidente Bolsonaro. De acordo com o ministro da Cidadania, Osmar Terra, o benefício será pago em dezembro deste ano, e a receita virá do Orçamento e a partir de um ‘pente-fino’ no programa.

Comentários Facebook
Advertisement

Economia

Mega-Sena sorteia R$ 3 milhões nesta quarta-feira; veja os números

Published

on

Mega-Sena sorteia R$ 7 milhões nesta quarta-feira
Felipe Moreno

Mega-Sena sorteia R$ 7 milhões nesta quarta-feira

A Caixa Econômica Federal realizou nesta quarta-feira (17) o sorteio 2.511 da Mega-Sena com prêmio estimado em R$ 3 milhões. A Caixa deve divulgar os vencedores nas próximas horas. Em caso de nenhum acerto das seis dezenas, o prêmio irá acumular e se aproximar de R$ 6 milhões no próximo sorteio.

04 – 10 – 15 – 39 – 41 – 49

Como participar do próximo sorteio? O próximo concurso da Mega-Sena acontece no sábado (20), às 20h. É possível apostar até as 19h (horário de Brasília) do dia do sorteio , em qualquer casa lotérica credenciada pela Caixa do país.

Também é possível apostar pela internet. O bilhete simples da Mega-Sena, com seis dezenas, custa R$ 4,50.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram  e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Como apostar online na Mega-Sena? Para aqueles que apostarem pela internet, não é possível optar pela aposta mínima, de R$ 4,50. No site da Caixa, o valor mínimo para apostar na Mega-Sena é de R$ 30, seja com uma única aposta ou mais de uma. Veja aqui como apostar.

Leia mais:  Folga no carnaval? Veja quais são os direitos do trabalhador

Para fazer uma aposta maior, com 7 números, dando uma maior chance de ganhar, o preço sobe para R$ 31,50. Outra opção para atingir o preço mínimo é fazer sete apostas simples, que juntas têm o mesmo valor, R$ 31,50. Além disso, os bolões, disponíveis online, são outra opção viável.

Como funciona a Mega-Sena? O concurso é realizado pela Caixa Econômica Federal e o vencedor pode receber milhões de reais se acertar as seis dezenas. Os sorteios ocorrem pelo menos duas vezes por semana – geralmente, às quartas-feiras e aos sábados. O apostador também pode ganhar prêmios com valor mais baixo caso acerte quatro ou cinco números, conhecidas como Quadra e Quina, respectivamente.

Na hora de jogar, o apostador pode escolher os números ou tentar a sorte com a Surpresinha. Esse modelo consiste na escolha automática, realizada pelo sistema, das dezenas jogadas. Outra opção é manter a mesma aposta por dois, quatro ou até oito sorteios consecutivos, conhecida como Teimosinha.

Leia mais:  Mesmo isolado, Guedes quer estar com Bolsonaro em eventual reeleição

Premiação da Mega-Sena Os prêmios costumam iniciar em, aproximadamente, R$ 3 milhões para quem acertar as seis dezenas. Dessa forma, o valor vai acumulando a cada concurso sem vencedor.

Também é possível ganhar prêmios ao acertar quatro ou cinco números dentre os 60 disponíveis no volante de apostas. Para isso, é preciso marcar de seis a 15 números do volante. O prêmio total da Mega-Sena corresponde a 43,35% da arrecadação. Deste valor:

  • 35% são distribuídos entre os acertadores dos seis números sorteados;
  • 19% entre os acertadores de cinco números (Quina);
  • 19% entre os acertadores de quatro números (Quadra);
  • 22% ficam acumulados e distribuídos aos acertadores dos seis números nos concursos terminados em zero ou cinco; e
  • 5% ficam acumulado para a primeira faixa (Sena) do último concurso do ano de final zero ou cinco.

Fonte: IG ECONOMIA

Comentários Facebook
Continue Reading

Economia

Guedes critica América Latina e vê reforma na Previdência como escape

Published

on

Ministro da Economia, Paulo Guedes critica América Latina e vê reforma da previdência como fuga para queda econômica
EDU ANDRADE/Ascom ME 10.03.2022

Ministro da Economia, Paulo Guedes critica América Latina e vê reforma da previdência como fuga para queda econômica

O ministro Paulo Guedes disse nesta quarta-feira (17) que diversos países da América Latina, como a Argentina, a Bolívia, a Venezuela, que elegeram governos de esquerda, estão “desmanchando” e que o Brasil estaria no mesmo caminho se não tivesse feito a reforma da Previdência no primeiro ano do governo. O ministro participou da TAG Summit, evento sobre investimentos promovido pela TAG Investimentos, em São Paulo.

“Se não tivéssemos feito a reforma da Previdência, de olho no fiscal, no primeiro ano de governo, o Brasil tinha dissolvido como a Argentina, que está indo no mesmo caminho da Venezuela. A América Latina está desmanchando”, afirmou o ministro.

Ele disse que a inflação no Brasil já está cedendo, com a política monetária restritiva que elevou juros, e o fiscal está no lugar. O ministro afirmou que no exterior isso ainda vai demorar muito a acontecer.

Guedes lembrou que esperava fazer as demais reformas a partir do segundo ano de governo, mas a Covid-19 chegou e tocou “fogo em tudo”. Guedes afirmou que a partir do terceiro ano de governo, estimava que o país crescesse num ritmo de 3% a 3,5% ao ano, o que não aconteceu por conta da pandemia.

Leia mais:  Bolsonaro repete ministro sobre banqueiros: 'Perderam com Pix'

Em 2020, a economia brasileira recuou 3,9% e no ano passado cresceu 4,6%. Para este ano, o boletim Focus prevê crescimento de 2%.

Guedes disse que muita gente do mercado financeiro que previa recessão para este ano está usando modelos errados. O ministro afirmou que, depois do choque externo causado pela Covid, o atual governo mudou o eixo da economia e hoje não depende mais do investimento público para crescer.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

“Trocamos o eixo da economia e muita gente ainda está usando modelos antigos para fazer previsões. Hoje não é o investimento público que impulsiona o PIB, mas sim os investimentos privados. Quem usa modelos antigos para prever o crescimento acha que o Brasil vai estagnar. São prisioneiros do modelo antigo”, afirmou.

Leia mais:  Mesmo isolado, Guedes quer estar com Bolsonaro em eventual reeleição

Ele disse que o país contratou investimentos privados de R$ 890 bilhões para os próximos dez anos em áreas como telecomunicações, energia, cabotagem, mineração, entre outras.

Guedes afirmou que as críticas que o governo recebe são feitas pela militância, que continua jogando “pedra e torcendo para dar errado”.

“Em toda arca de Noé tem um pica-pau para ver se o barco vai afundar”, disse.

O ministro calculou que a relação dívida/PIB cresceu apenas 1,7%, mesmo com os gastos feitos durante a pandemia incluindo a criação do Auxílio Brasil, e que as despesas serão cobertas com receitas não previstas no orçamento.

“Ninguém conseguiu manter o teto na guerra da Covid. O fiscal está controlado. Temos como cobrir as despesas extraordinárias com receitas extraordinárias. Somos o primeiro governo que vai sair gastando menos do que quando entrou”, garantiu Guedes.


Fonte: IG ECONOMIA

Comentários Facebook
Continue Reading

Economia

Anvisa dá aval para recall de sorvetes da Häagen-Dazs por contaminação

Published

on

Picolés e sorvetes de massa devem ser retirados das prateleiras nos próximos dias
Divulgação

Picolés e sorvetes de massa devem ser retirados das prateleiras nos próximos dias

A General Mills Brasil, empresa responsável pela produção de sorvetes Häagen-Dazs, anunciou o recall em produtos da marca após diagnosticar a presença de 2-cloroetanol. A empresa já tinha iniciado o recolhimento voluntário dos produtos, mas a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) oficializou o recall nesta quarta-feira (17).

Segundo a empresa, a investigação começou após uma testagem em um pote de sorvete de sabor baunilha, em julho deste ano. A contaminação, de acordo com a General Mills, teve origem na reutilização do solvente usado na fabricação de aroma, não havendo relação com o uso de óxido de etileno (ETO) na cadeia produtiva.

Produtos com validade entre 16/05/2023 e 29/06/2023 devem ser afetados. A empresa ainda solicitou que os clientes entre em contato para recolher o produto.

Veja os produtos afetados

  • Pote de sorvete Häagen-Dazs Belgian Chocolate – sorvete de chocolate com pedaços de chocolate (473mL).
  • Copinho de sorvete Häagen-Dazs Macadamia Nut Brittle – sorvete sabor baunilha com macadâmia crocante (100mL).
  • Pote de sorvete Häagen-Dazs Macadamia Nut Brittle – sorvete sabor baunilha com macadâmia crocante (473mL).
  • Picolé Häagen-Dazs Vanilla Caramel Almond – sorvete sabor baunilha com calda de caramelo salgado e cobertura de chocolate ao leite com amêndoas 70g (80mL).
  • Picolé Häagen-Dazs Cookies & Cream – sorvete sabor baunilha com pedaços de biscoito 70g (80mL).
Leia mais:  Com combustíveis em alta, motoristas dão dicas de como economizar

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

O 2-cloroetanol (2-CE) é uma substância tóxica usada para limpeza de máquinas, acetato de celulose, etilcelulose e tintas para impressão em tecidos. A substância tem sido identificada em diversos produtos alimentícios, comumente associada a utilização de óxido de etileno.

Segundo a Häagen-Dazs, o produto pode ter sido adicionado aos sorvetes na reutilização do solvente (à base de álcool e água) na extração do aroma de baunilha.

A Anvisa informou que não há estudos sobre os perigos causados pelo consumo da substância, mas não se pode descartar sua toxidade. O órgão ainda suspeita da possibilidade sobre alterações no material genético.


Fonte: IG ECONOMIA

Leia mais:  Guerra afeta alimentos e petróleo, mas investimentos podem crescer

Comentários Facebook
Continue Reading

Mais Lidas da Semana

Copyright © 2018 - REDE CENTRO NORTE DE COMUNICAÇÃO LTDA-ME - CNPJ: 34.052.986/0001-65 | Peixoto de Azevedo - MT
Desenvolvido por InfocoWeb - 66 9.99774262