Connect with us

Lula diz que Bolsonaro tem 'medo do povo' quando critica urnas eletrônicas
Reprodução/Youtube

Lula diz que Bolsonaro tem ‘medo do povo’ quando critica urnas eletrônicas

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato do PT ao Palácio do Planalto, reagiu neste sábado aos ataques do presidente Jair Bolsonaro (PL) ao Supremo Tribunal Federal e às urnas eletrônicas e atribuiu ao “medo” do adversário de sofrer uma “surra” nas eleições deste ano. Em discurso durante evento em Fortaleza, no Ceará, o petista ainda chamou o atual presidente de “troglodita” e “mentiroso”.

“O Bolsonaro está todo dia brigando com a Suprema Corte e a Justiça, dizendo que a urna não presta. Ele ja foi eleito dez vezes. Ele não está com medo da urna, está com medo do povo nordestino, do Sul, que vai dar uma surra nele que ele nunca mais vai esquecer”, afirmou Lula.

No evento em que lançou a candidatura de Elmano Férrer (PT) ao governo cearense, Lula disse que “está voltando” e que Bolsonaro criou Auxílio Brasil — programa de transferências de renda que substituiu o Bolsa Família — para tentar ganhar as eleições.

“Queria dizer que esse troglodita, se conhecesse o povo brasileiro, ia saber que se cair dinheiro na conta pegue e coma, porque se não eles tomam, vão ficar com o dinheiro. A lei diz que (o auxílio) é só até dezembro, e quem pode garantir benefício pelo resto da vida é quem você conhece, que já fez o Luz para Todos, a transposição do São Francisco, mais universidade, escolas técnicas, quem aumentava ao salário mínimo todo ano”, afirmou o petista.

Leia mais:  Wellington Fagundes elogia programa Antecipa Frete

A ida de Lula ao Ceará ocorre em um contexto de racha da aliança histórica entre PT e PDT no estado. O rompimento entre os partidos no cenário local ocorreu após Ciro Gomes (PDT), adversário de Lula na disputa nacional, minar a candidatura à reeleição da atual governadora, Izolda Cela (PDT), para lançar o nome de Roberto Cláudio (PDT) ao cargo. O ato de Ciro gerou desavença entre a própria família Gomes, uma vez que seus irmãos Cid Gomes (PDT) e Ivo Gomes (PDT), aliados do ex-governador petista Camilo Santana (PT), apoiavam o nome de Cela.

Durante seu discurso, Camilo, que é candidato ao Senado, mandou recados sobre a rusga com Ciro e prestou “solidariedade” a Cela.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

“Gostaria de saudar uma pessoa que não está aqui, e que durante 7 anos e 3 meses esteve ao meu lado em todos os momentos. Uma mulher extraordinária, que é responsável pela educação do Ceará. Queria pedir uma salva de palmas para a primeira mulher governadora do estado do Ceará, Izolda Cela” disse Santana.

Leia mais:  Câmara realiza seminário nesta quarta sobre empreendedorismo feminino

“Se tem uma coisa que aprendi na minha vida é gratidão e queria fazer uma homenagem a um irmão-amigo que fez muito por esse Ceará. Ninguém vai me separar dele jamais, queria pedir salva de palmas ao querido Cid Gomes, ex-governador do Ceará, e dizer a ele que ninguém nos separa. (Queria dizer) da minha amizade e gratidão a esse cearense que tanto fez pelo estado do Ceará”, concluiu.

A governadora e Cid Gomes foram citados também por Lula. Segundo o ex-presidente, a governadora “sofreu um impeachment sem ser impeachment” ao ter sua candidatura rejeitada pelo PDT de Ciro.

“Quero deixar um beijo para companheira Izolda, que, na verdade, sofreu impeachment sem ser impechment. Ela só queria dar sequência (ao governo), porque no Brasil não tem ninguém com a competência educadora que tem a companheira Izolda. Minha solidariedade à companheira”, elogiou Lula, que também mandou recados a Ciro.

“A gente tem que ser leal a quem é leal com a gente, ser companheiro de quem foi companheiro da gente. E a gente não tem que falar mal de quem fala mal de nós. A gente tem que falar bem de quem fala bem de nós, porque falar bem é muito mais proveitoso”.


Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Advertisement

Política Nacional

Projeto permite que valor arrecadado com multa financie pagamento por serviços ambientais

Published

on

Elaine Menke/Câmara do Deputados
O papel do financiamento na retomada do crescimento da economia. Dep. Jose Mario Schreiner MDB - GO
Jose Mario Schreiner, autor do projeto de lei

O Projeto de Lei 1506/22 permite que os valores arrecadados com multas ambientais sejam usados para financiar o pagamento por serviços ambientais. O texto tramita na Câmara dos Deputados.

A proposta também permite a conversão das multas em ações do Programa Federal de Pagamento por Serviços Ambientais (PFPSA). Com a medida, o autuado terá descontos na multa ao financiar ações previstas no PFPSA.

O pagamento por serviços ambientais é um instrumento financeiro regulado pela Lei 14.119/21, que remunera produtores rurais, agricultores familiares e comunidades tradicionais que preservam a sua área.

O texto é do deputado Jose Mario Schreiner (MDB-GO). Ele afirma que o objetivo é ampliar o número de fontes de financiamento da Política Nacional de Pagamentos por Serviços Ambientais (PNPSA), que foi instituída pela Lei 14.119/21.

“A aprovação deste projeto de lei trará uma nova fonte de pagamento por serviços ambientais, dinamizando ainda mais o desenvolvimento sustentável no País, com mais empregos e mais incentivos a práticas ecológicas”, diz Schreiner.

Leia mais:  Wellington Fagundes elogia programa Antecipa Frete

Ele lembra ainda que dispositivo semelhante estava presente no projeto de lei que deu origem à Lei 14.119/21, mas acabou derrubado durante a votação da matéria no Plenário da Câmara.

Tramitação
O projeto será analisado em caráter conclusivo pelas comissões de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei

Reportagem – Janary Júnior
Edição – Pierre Triboli

Fonte: Câmara dos Deputados Federais

Comentários Facebook
Continue Reading

Política Nacional

“A fome é séria na Europa. Sem o Brasil, passam fome”, diz Bolsonaro

Published

on

Jair Bolsonaro citou Macron em seu discurso
Reprodução/YouTube – 17.08.2022

Jair Bolsonaro citou Macron em seu discurso

Nesta quarta-feira (17), o presidente Jair Bolsonaro alfinetou o presidente da França, Emmanuel Macron, e afirmou que a Europa tem passado por problemas de abastecimento, correndo sério risco da população passar fome. Na opinião dele, o continente europeu necessita do Brasil.

“Há 40 dias, pegou fogo nas poucas florestas da França. Imagina se fosse ao contrário, o que diria o Macron daqui do Brasil. Nós lamentamos, até porque tudo isso está associado à onda de calor, e tem matado muita gente […] Eles estão com problemas sérios e começa a aparecer o fantasma do desabastecimento”, disse o presidente.

Após provocar o presidente francês, Bolsonaro explicou ao público que os incêndios atingiram outros países, como a Espanha. Ele então comentou que os líderes europeus querem fechar o mais rápido possível um acordo com o Mercosul para resolver o problema de desabastecimento. “A fome não é apenas uma preocupação, é uma coisa muito séria na Europa no momento. O mundo sabe que sem o Brasil, eles passam fome”, completou.

Leia mais:  Wellington Fagundes elogia programa Antecipa Frete

A fala foi feita durante a reunião com prefeitos de cidades brasileiras no hotel Royal Tulip, em Brasília.

Bolsonaro cutuca Alckmin e Lula

Durante seu discurso, o chefe do executivo federal resolveu defender as ações do seu governo no combate à corrupção e aproveitou para provocar Geraldo Alckmin (PSB) e mandar indireta ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

“Alguns querem voltar? Voltar para que? Voltar para a cena do crime, como disse o seu Geraldo Alckmin? Parece que é o que alguns querem no Brasil”, comentou.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Continue Reading

Política Nacional

Maioria dos candidatos ao Senado é formada por homens brancos, casados e com ensino superior

Published

on

Eleições 2022

Segundo a Justiça Eleitoral, 235 candidatos vão disputar uma das 27 vagas ao Senado em outubro. A maioria é formada por homens brancos, casados e com o ensino superior. A grande parte é formada por políticos, empresários, servidores públicos e médicos. O consultor do Senado, Arlindo Fernandes, afirmou que o perfil dos candidatos é quase o mesmo da legislatura atual. Ao citar que apenas 10% dos postulantes ao Senado são negros, o senador Paulo Paim (PT-RS) destacou que houve um pequeno aumento de pessoas pretas disputando cargos políticos no país como um todo.

Fonte: Agência Senado

Comentários Facebook
Leia mais:  Plenário encerra sessão e abre outra com novo quórum; acompanhe
Continue Reading

Mais Lidas da Semana

Copyright © 2018 - REDE CENTRO NORTE DE COMUNICAÇÃO LTDA-ME - CNPJ: 34.052.986/0001-65 | Peixoto de Azevedo - MT
Desenvolvido por InfocoWeb - 66 9.99774262