conecte-se conosco


Economia

Mercado volta a reduzir expectativa para o crescimento da economia em 2019

Publicado


O pessimismo quanto ao crescimento do PIB corrobora com as previsões divulgadas na semana passada pela OCDE
Reprodução

O pessimismo quanto ao crescimento do PIB corrobora com as previsões divulgadas na semana passada pela OCDE

Analistas do mercado financeiro consultados pelo Banco Central (BC) voltaram a reduzir a expectativa para o crescimento da economia em 2019. De acordo com o boletim Focus publicado nesta segunda-feira (11), a estimativa para a expansão do PIB (Produto Interno Bruto) neste ano passou de 2,30% para 2,28%, uma ligeira queda de 0,02 ponto percentual.

O pessimismo quanto ao crescimento do PIB em 2019 corrobora com  as previsões divulgadas na semana passada pela OCDE
(Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico). Mesmo apontando que uma recuperação moderada da economia está em curso no País, a entidade também reduziu a estimativa para a expansão do PIB – mas de 2,1% para 1,9%, porcentagem ainda menor do que a prevista pelo boletim Focus.

Os analistas consultados pelo BC também estimaram o crescimento do PIB brasileiro para os próximos três anos. Em 2020, ao contrário do que aconteceu com as previsões deste ano, a expectativa de expansão da economia subiu de 2,70% para 2,80%. Para 2021 e 2022, porém, as estimativas seguem em 2,50%.

Leia mais:  Justiça pode assegurar direitos a trabalhadores de aplicativo

Inflação e dólar


As projeções para a cotação do dólar se mantiveram em R$ 3,70; nos próximos dois anos, valor deve chegar a R$ 3,75
Reprodução

As projeções para a cotação do dólar se mantiveram em R$ 3,70; nos próximos dois anos, valor deve chegar a R$ 3,75

As estimativas dos analistas para a inflação deste ano, medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), tiveram uma leve alta em relação à semana passada, passando de 3,85% para 3,87%. As previsões para os próximos três anos não se alteraram: em 2020, a inflação deve ser de 4%; em 2021 e 2022, de 3,75%.

Leia também: “Bolsa Família” italiano pagará até 1.050 euros a cidadãos mais pobres

A projeção para 2019 está dentro da meta de 4,25%, com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%, estipulada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). No início deste ano, a primeira edição do relatório Focus estimava inflação de 4,01% – 0,14 ponto percentual acima do que prevê hoje.

As estimativas do mercado financeiro para a cotação do dólar também se mantiveram estáveis em relação à semana passada: de R$ 3,70 em 2019 e R$ 3,75 em 2020. Ao contrário do que acontece com o PIB e a inflação, os analistas não fazem projeções para a moeda norte-americana para além do ano que vem.

Leia mais:  Dercy Gonçalves ressurge em comercial de frango frito; internautas criticam

Taxa Selic


De acordo com o boletim Focus, a taxa Selic deve permanecer em 6,5% ao ano, seu mínimo histórico, até o fim de 2019
iStock

De acordo com o boletim Focus, a taxa Selic deve permanecer em 6,5% ao ano, seu mínimo histórico, até o fim de 2019

O boletim Focus desta semana também divulgou suas expectativas para a taxa Selic, o principal instrumento utilizado pelo BC para controlar a inflação. Os analistas estimam que a Selic deve permanecer em 6,5% ao ano, seu mínimo histórico, até o fim de 2019. Para o final de 2020, 2021 e 2022, a estimativa é de 8% ao ano.

A Selic, que serve de referência para os demais juros da economia, é a taxa média cobrada nas negociações com títulos emitidos pelo Tesouro Nacional registradas diariamente no Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic). A manutenção da Selic, como prevê o mercado financeiro neste ano, indica que o Copom (Conselho de Política Monetária) considera as alterações anteriores nos juros básicos suficientes para chegar à meta de inflação.

Leia também: Reforma da Previdência é mais prejudicial às mulheres, avalia Dieese

Ao reduzir os juros básicos, a tendência é diminuir os custos do crédito e incentivar a produção e o consumo. Para cortar a Selic, o BC precisa estar seguro de que os preços estão sob controle e não correm risco de ficar acima da meta de inflação. Quando o Copom aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços, uma vez que juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Auxílio Brasil: fila é o dobro do anunciado pelo Ministério

Publicado

Sancionada MP que torna o Auxílio Brasil em R$400 permanente
Agência Brasil

Sancionada MP que torna o Auxílio Brasil em R$400 permanente

Novos dados compilados pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) apontam que a demanda reprimida pelo Auxílio Brasil em maio era mais que o dobro da fila oficial do governo. De acordo com informações da entidade, naquele mês havia 1,8 milhão de famílias esperando o benefício, enquanto o Ministério da Cidadania apontava que eram quase 765 mil.

A diferença ocorre porque o levantamento da CNM leva em conta as inscrições de famílias no Cadastro Único (CadÚnico) que atendem ao critério para ingresso no programa — renda mensal per capita inferior a R$ 210 — e tiveram os dados atualizados há menos de 24 meses. Para entrar na fila oficial do Ministério da Cidadania, no entanto, é preciso passar por outros filtros.

Os invisíveis do Auxílio Brasil Cresce número de brasileiros que teriam direito ao benefício Em maio, 18,1 milhões de famílias recebiam o benefício de R$ 400, de acordo com os dados do governo. Mas o anúncio de que haverá uma ampliação no valor (para R$ 600) e no número de beneficiados pelo programa fez com que a procura por atendimento nos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) crescesse. A CNM se preocupa com a pressão na estrutura desses postos, o que vem sobrecarregando os municípios, conforme destaca o presidente da entidade, Paulo Ziulkoski. 

Leia mais:  Confira as 10 mentiras mais contadas nos currículos

“O programa Auxílio Brasil está passando por alterações preocupantes, como a elevação de R$ 400 para R$ 600 do benefício, que só dura até o final do ano. E depois?”, questiona ele.

R$ 12,2 bi a mais por mês

Aliado a esse movimento, o período de atualização cadastral de quem já estava inscrito no CadÚnico também sobrecarrega os municípios. Ao longo da pandemia, a averiguação dos dados foi suspensa para não penalizar as famílias que não tinham condições de confirmar os dados pessoalmente e não colocar os servidores da assistência social em risco, pois havia uma série de restrições sanitárias.

“A pressão dessa averiguação cadastral recai sobre os municípios. Como os servidores da assistência social não estão dando conta da fila de quem está nessa atualização cadastral, como é que vão fazer busca ativa para identificar as famílias que estão em situação de pobreza, por exemplo?”, pondera Ziulkoski.

Os retrocessos no Brasil em 2022 Em seu relatório, a CNM pontua que os novos acessos ao programa estavam ocorrendo em ritmo mais lento que os cadastros. A entidade critica, no entanto, o pagamento linear, por não considerar a situação de vulnerabilidade das famílias.

Leia mais:  Justiça pode assegurar direitos a trabalhadores de aplicativo

Se houvesse uma focalização maior, seria possível atender mais famílias, distribuindo melhor os valores de acordo com as necessidades delas.

A CNM ainda estima que seria necessário um gasto mensal de R$ 12,2 bilhões para o período entre agosto e dezembro de 2022 para zerar a demanda reprimida do programa. “O valor estimado é 66% superior à média mensal (R$ 7,4 bilhões) de gasto do programa até julho deste ano”, diz a entidade.

Para ampliar o programa este ano, o governo aprovou a proposta de emenda à Constituição (PEC) Eleitoral, que driblou as regras fiscais e eleitorais e permitiu o pagamento de um benefício maior a mais famílias. A partir de terça-feira, serão atendidas 20,2 milhões de famílias, que receberão um benefício de R$ 600. O Orçamento de 2022 previa R$ 90 bilhões para o programa. Com a PEC, foi liberado um extra de R$ 26 bilhões para a ação.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG ECONOMIA

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Valores não sacados do FGTS serão retornados neste sábado; entenda

Publicado

Caixa irá devolver saldo não movimentado; crédito é avaliado em mais de R$ 9,2 Bi
Agência Brasil

Caixa irá devolver saldo não movimentado; crédito é avaliado em mais de R$ 9,2 Bi

Neste sábado (6), a Caixa Econômica Federal irá iniciar a devolução para a conta do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para os trabalhadores, com valores chegando a até R$ 1 mil pelo Saque Extraordinário. 

De acordo com o banco público, o dinheiro foi creditado automaticamente por meio de contas digitais do aplicativo Caixa Tem, porém ainda não foi movimentado pelos donos das contas, que teriam direito a usar o dinheiro. Serão, no total, aproximadamente R$ 9,2 bilhões retornados para contas do FGTS. 

Veja o que fazer se você não sacou o FGTS quando tinha direito, agora que a Caixa devolverá o dinheiro

Não terão o saldo afetado pela medida aqueles que realizaram movimentações de qualquer valor em em suas contas, seja ela um saque, transferência ou retirada de qualquer quantia. Sobre tais situações, o banco diz que “nesses casos, o valor será transferido novamente para a conta do Caixa Tem e poderá ser utilizado em transações eletrônicas, saque em espécie ou transferência, sem custo, para outras contas”.

Os trabalhadores que tiverem seus recursos retornados automaticamente para as contas do Fundo de Garantia pela não-movimentação de seus valores poderão solicitar o crédito pelo aplicativo do FGTS até 15 de dezembro deste ano.

Leia mais:  Governo vai reduzir em 10% imposto sobre movimentação de cargas

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Depois da solicitação, o crédito será depositado na conta do trabalhador na conta digital do Caixa Tem em até quinze dias. É importante relembrar que o retorno deste dinheiro só estará disponível para os trabalhadores que que se encaixam nas condições previstas em lei, como demissão sem justa causa, doença grave, compra da casa própria, aposentadoria e outros. 

A última rodada de pagamentos aconteceu em 15 de junho, para aqueles que nasceram em dezembro. Este ano, o calendário de pagamento cerca de 43,7 milhões de trabalhadores tiveram direito ao saque e foram aproximadamente R$ 30,1 bilhões em crédito liberados para tais empregados. 

O dinheiro será retornado as contas do Fundo baseado na medida provisória 1.105  de 17 de março de 2022, conforme dito pelo banco.

Em nota, a Caixa diz que “Conforme previsto nessa legislação, os valores creditados automaticamente ficam disponíveis para movimentação pelo trabalhador pelo prazo de 90 dias, de acordo com calendário de pagamentos amplamente divulgado, e, caso não sejam sacados, retornam para as contas do FGTS corrigidos”

Como sacar?

Para solicitar o crédito basta acessar o app FGTS; ir para o menu “Saque Extraordinário”, confirmar ou complementar os dados cadastrais e clicar em “Solicitar Saque”. Os trabalhadores terão até o dia 15 de dezembro para realizar a solicitação pelo app FGTS. Após a solicitação, o crédito estará disponível na conta digital do Caixa Tem em até 15 dias.

O valor irá ser transferido para a conta do Caixa Tem e poderá ser utilizado em transações eletrônicas, saque em espécie ou transferência, sem custo, para outras contas.

Em caso de dúvida os trabalhadores devem acessar o aplicativo e clicar no menu “Saque Extraordinário”. Também está disponível o telefone da Caixa Econômica federal, com os números de 4004-0104 para capitais e regiões metropolitanas, e o 0800 104 0104 para outras regiões.

Fonte: IG ECONOMIA

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Novo Conselho de Administração da Eletrobras é eleito por acionistas

Publicado

conselho da Eletrobras passa por renovação
Ivonete Dainese

conselho da Eletrobras passa por renovação

Os acionistas da Eletrobras elegeram nesta sexta-feira o novo conselho de Administração da empresa, privatizada em junho deste ano. Dos onze membros, sete são novos integrantes e três foram reconduzidos, além do representante dos empregados.

De acordo com uma fonte que participou da assembleia geral extraordinária, a chapa única foi eleita pela maioria dos presentes.

Com isso, foram eleitos para o Conselho de Administração da Eletrobras Ivan Monteiro, ex-presidente da Petrobras, e Marcelo Gasparino, atual conselheiro de empresas como Petrobras e Vale.

Também foram eleitos Carlos Augusto Leone, ex-presidente da Equatorial, Octavio Cortes, ex-conselheiro da Light, além de Marisete Pereira, que já ocupou cargo no Ministério de Minas e Energia (MME).

Na lista está ainda Vicente Falconi, que já foi conselheiro da empresa, além dos atuais conselheiros reconduzidos: Marcelo de Siqueira Freitas, Daniel Alves Ferreira e Felipe Villela Dias.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

A chapa única continha nove nomes indicados pelos acionistas ordinários (ON, com direito a voto). Além disso, essa chapa trouxe ainda o nome de Pedro Batista, sócio da 3G Radar, indicado pelos acionistas preferencialistas (PN, sem direito a voto).

Assim, o conselho da Eletrobras passará por uma forte renovação. Além dos três membros reconduzidos, Carlos Eduardo Rodrigues Pereira, representante dos empregados, continua no colegiado. Há ainda uma expectativa que Ivan Monteiro seja eleito presidente do colegiado.

Fontes destacaram ainda que Wilson Ferreira Júnior, ex-presidente da Eletrobras e da Vibra, seja eleito pelo novo Conselho como novo presidente da empresa. Wilson renunciou ao cargo de presidente da Vibra.

Fonte: IG ECONOMIA

Comentários Facebook
Continue lendo

BRABINHO OURO INFORMA

R$ 308,54

Peixoto de Azevedo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Política Nacional

Mais Lidas da Semana





Copyright © 2018 - REDE CENTRO NORTE DE COMUNICAÇÃO LTDA-ME - CNPJ: 34.052.986/0001-65 | Peixoto de Azevedo - MT
Desenvolvido por InfocoWeb - 66 9.99774262