conecte-se conosco

Mato Grosso

Projeto de audioguia descreve monumentos históricos de Cuiabá para pessoas com deficiência visual

Publicado


Uma cidade intensa como Cuiabá aflora os sentidos e o projeto ‘Capital – Circuito Monumental Audiodescrito pela Inclusão, Tradução é Autonomia e Liberdade’ vem para aguçar a audição. Em oito episódios, cada um apresentando um monumento histórico da capital de Mato Grosso, o projeto de audioguia garante a acessibilidade de pessoas com deficiência visual ou intelectual ou com Transtorno do Espectro Autista, disléxicas e idosos. 

O projeto de audiodescrição (AD) foi contemplado em edital executado pela Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT), com recursos da Lei Aldir Blanc. Atualmente em fase de gravação, a iniciativa tem seu lançamento previsto para todo o público, gratuitamente nas principais plataformas de streaming a partir do dia 10 de abril.

Monumento do Índio Pescador, Monumento aos Bandeirantes ou Monumento à Cidade, Busto do Almirante Augusto Leverger, estátuas de Mãe Bonifácia e Maria Taquara, Monumento Ulisses Guimarães, Escultura da Chacina do Beco do Candeeiro, representação da cultura popular com o Monumento à Viola de Cocho, Cururueiros e Dançarinos de Siriri são as personagens escolhidas para contar, de forma cronológica, parte da história regional, que por meio da audiodescrição, vai tomando forma no imaginário do ouvinte. 

As palavras ganharão textura de aço, bronze, contornos de rostos e instrumentos musicais que representam uma realidade social que moldou a identidade cuiabana. 

“O Projeto Capital é um convite para visitar e se relacionar com a cidade através de um Audioguia com Audiodescrição. Conhecer monumentos e personagens que estão presentes e próximos de nós, mas nem sempre são reconhecidos. Queremos propor não apenas uma visita, mas a criação de um vínculo de afetividade com essas obras e essas personagens, com a nossa história e ao mesmo tempo, discutir a acessibilidade. A segregação das pessoas com deficiência dos espaços e experiências é a regra até o momento, por isso o projeto quer também suscitar o debate sobre a inclusão que precisamos buscar como sociedade. Pretendemos acessibilizar para amplificar a informação e estimular o engajamento da comunidade e de pessoas com deficiência visual, que muitas vezes, não são sabedoras do recurso e do direito. Queremos, ainda, sensibilizar e estimular o início da cadeia produtiva para o olhar inclusivo de fato, os gestores, produtores, artistas e educadores, por exemplo”, explica Thayana Bruno, audiodescritora e comunicóloga, proponente do projeto. 

Leia mais:  Obras de pavimentação na MT-400/351 avançam e rodovia ganha nova aparência

O projeto de audioguia com audiodescrição (AD) propõe refletir para transformar, e assim mudar o mundo, começando por Cuiabá. Provocar uma mudança na forma como a cidade se apresenta para as pessoas com deficiência visual, com a discussão sobre a acessibilidade dos lugares que se dizem públicos. No Brasil, mais de 500 mil pessoas não enxergam, enquanto que 3,5 milhões tem alguma deficiência visual, de acordo com dados de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A consultora em audiodescrição (AD), Cida Leite, perdeu totalmente a visão aos 9 anos de idade e acrescenta ao projeto toda sua experiência com o tema acessibilidade e também sua sensibilidade na composição das informações fundamentais para orientação das pessoas com deficiência no material audiodescritivo.

“É muito importante que a gente localize o máximo que puder, se uma região oferece mais riscos, se uma região é acidentada, se eu não sei se aquela região tem uma escadaria, se é de pouco movimento para dar autonomia as pessoas com deficiência visual. Se eu digo com clareza e segurança que eu quero chegar ao Monumento Ulisses Guimarães, eu só posso ter essa autonomia se ele for acessível, e ai que entra a acessibilidade comunicacional. Isso encoraja as pessoas a serem mais audaciosas, mais interessadas em conhecer e reconhecer esses espaços históricos, que muitas vezes tem o anseio em conhecer, mas não frequenta, porque tem medo. A importância desse projeto é essa, é trazer acessibilidade física”, compartilha Cida Leite. 

Leia mais:  Perícia realiza medições em avenida para subsidiar laudo sobre velocidade do veículo em atropelamento

Com linguagem fluida, descontraída e sonoridade autoral exclusiva, a proposta é alcançar o público, com deficiência visual, mas não unicamente, e sem distinção de idade.

“Além de lançarmos o material pela Internet, vamos distribuí-lo para instituições e entidades que atendem especificamente pessoas com deficiência visual, escolas públicas, Institutos Federais e Universidades Públicas. A Baixada Cuiabana é nosso foco inicial, depois, as demais regiões de Mato Grosso, outros estados, países de língua portuguesa e porque não, contatos intergalácticos”, como narra Thayana, a proponente e voz do projeto, no material de apresentação do audioguia no instagram. 

Nas mídias sociais do projeto (@circuitocapital), é possível acompanhar o processo de desenvolvimento do material e participar do diálogo sobre acessibilidade. 

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

Domingo (18): Mato Grosso registra 342.896 casos e 9.084 óbitos por Covid-19

Publicado


A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) notificou, até a tarde deste domingo (18.04), 342.896 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, sendo registrados 9.084 óbitos em decorrência do coronavírus no Estado.

Foram notificadas 653 novas confirmações de casos de coronavírus no Estado. Dos  342.896 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 11.183 estão em isolamento domiciliar e 320.566 estão recuperados.

Entre casos confirmados, suspeitos e descartados para a Covid-19, há 516 internações em UTIs públicas e 456 em enfermarias públicas. Isto é, a taxa de ocupação está em 97,73% para UTIs adulto e em 57% para enfermarias adulto.

Dentre os dez municípios com maior número de casos de Covid-19 estão: Cuiabá (72.910), Rondonópolis (25.530), Várzea Grande (22.540), Sinop (17.967), Sorriso (12.308), Tangará da Serra (11.451), Lucas do Rio Verde (11.004), Primavera do Leste (9.771), Cáceres (7.351) e Alta Floresta (6.500).

A lista detalhada com todas as cidades que já registraram casos da Covid-19 em Mato Grosso pode ser acessada por meio do Painel Interativo da Covid-19, disponível neste link.

Leia mais:  Secretário de Saúde é avaliado por equipe médica especializada; reinfecção não é confirmada

O documento ainda aponta que um total de 303.006 amostras já foram avaliadas pelo Laboratório Central do Estado (Lacen-MT) e que, atualmente, restam 1.273  amostras em análise laboratorial.

Cenário nacional

No sábado (17), o Governo Federal confirmou o total de 13.900.091 casos da Covid-19 no Brasil e 371.678 óbitos oriundos da doença. No levantamento do dia anterior, o país contabilizava 13.832.455 casos da Covid-19 no Brasil e 368.749 óbitos confirmados de pessoas infectadas pelo coronavírus.

Até o fechamento deste material, o Ministério da Saúde não divulgou os dados atualizados deste domingo (18).

Recomendações

Já existem vacinas para prevenir a infecção pelo novo coronavírus, mas ainda é importante adotar algumas medidas de distanciamento e biossegurança.

Os sites da SES e do Ministério da Saúde dispõem de informações oficiais acerca da Covid-19. A orientação é de que não sejam divulgadas informações inverídicas, pois as notícias falsas causam pânico e atrapalham a condução dos trabalhos pelos serviços de saúde.

O Ministério da Saúde orienta os cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o novo vírus. Entre as medidas estão:

Leia mais:  Estado normatiza proteção de dados pessoais e da identidade de denunciantes

– Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Se não houver água e sabão, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool;

– Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas;

– Evitar contato próximo com pessoas doentes;

– Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo;

– Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Educação em MT inaugura nova fase do regime de colaboração

Publicado


A educação é parte essencial na vida de todas as pessoas, sejam crianças, jovens ou adultos. Em Mato Grosso e em qualquer lugar do mundo a educação é um dos principais fatores para a formação de cidadãos conscientes e mobilidade social.

É para amparar e dar todo o suporte técnico e financeiro a este movimento que o governador Mauro Mendes apresentou, o “Programa Educação Já, Mato Grosso”, uma série de ações cujos conceitos centrais são o trabalho em regime de colaboração com prefeitos e secretários municipais para elevar a alfabetização e a aprendizagem de qualidade entre os alunos dos dois primeiros anos iniciais do Ensino Fundamental. 

Vamos trabalhar em regime de colaboração com o Estado, municípios, escola e sociedade organizada pela qualidade no sistema educacional, pelo regime previsto na Constituição Federal (CF) e no Plano Nacional de Educação (PNE). Com boas práticas educacionais, baseadas em evidências de outros estados e do mundo. Juntos, vamos colocar a educação de Mato Grosso em índice alto de qualidade.

A organização do programa requer estabelecer e definir metas, indicadores e governança que serão monitorados permanentemente para que a alfabetização e todo o ciclo inicial da educação da primeira infância tenham resultados satisfatórios de ensino e aprendizagem dos alunos.

Leia mais:  Perícia realiza medições em avenida para subsidiar laudo sobre velocidade do veículo em atropelamento

Uma das premissas centrais do programa baseia-se no fato de que o aluno é do município, independente da rede. E por isso vamos todos juntos fomentar apoio técnico e financeiro necessários para atingir nossos objetivos. E para isso, o governador Mauro Mendes, no lançamento do programa, já deixou claro que haverá recursos públicos suficientes e bem aplicados para investir e prover de infraestrutura física e tecnológica as unidades escolares, graças ao acúmulo de verba pública obtida pela redução de gastos e equilíbrio fiscal rigoroso implantado pela gestão estadual entre 2019 e 2020.

Essa atitude de gestão responsável em todo o governo e, especificamente na educação, permitiu os investimentos para criar as condições adequadas para a melhoria do ambiente humano e de infraestrutura das escolas estaduais.

Mas, sabemos que o sonho de entender e interpretar o mundo pelo conhecimento permitido pela educação de qualidade requer um esforço coletivo. Com participação de pais, mães e responsáveis pela longa caminhada de pessoas desde a primeira infância até à formação profissional adulta.

Leia mais:  Obras de pavimentação na MT-400/351 avançam e rodovia ganha nova aparência

Por isso, vamos perseguir nossas convicções, fundamentos, práticas educacionais e planos traçados para melhorar a educação com foco na alfabetização no primeiro e segundo anos do Ensino Fundamental, amparados em um trabalho diário da Seduc e dos municípios.

Queremos colocar a educação de Mato Grosso entre as 5 melhores do Brasil. Para atingir a meta, sabemos claramente que 70% do sucesso da educação é gente. E, paralelo ao programa de alfabetização colaborativa, já temos planos de valorização profissional, formação continuada dos professores e técnicos e a avaliação periódica da qualidade do ensino ofertado aos nossos estudantes de Mato Grosso.
 
Sabemos dos obstáculos e barreiras, mas, vamos implementar o regime de colaboração entre o Estado e os municípios na alfabetização para alcançar os sonhos do conhecimento advindo com a educação. E permitir no médio e longo prazo os primeiros degraus da escada para a mobilidade social de que muita gente depende em Mato Grosso e no Brasil para a sobrevivência e a felicidade efetiva.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Batalhão Ambiental auxilia em coleta no Rio Cuiabá para estudos de impactos das queimadas

Publicado


Denominada de Operação Fauna, durante dois dias, na quinta e sexta-feira (15 e 16.04),  uma equipe da 1ª Companhia do Batalhão Ambiental junto com pesquisadores da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), realizaram coleta do Rio Cuiabá para pesquisa dos danos causados pelas queimadas.

As coletas de material hídrico foram realizadas por dois pesquisadores da UFMT em Santo Antônio do Leverger, Barão de Melgaço, Porto Cercado e Poconé. Os trabalhos transcorreram sem alteração.  

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Leia mais:  Penitenciária Feminina tem reforma concluída; unidade acrescentou 15 novas vagas
Continue lendo

R$ 156,72

Peixoto de Azevedo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Política Nacional

Mais Lidas da Semana





Copyright © 2018 - REDE CENTRO NORTE DE COMUNICAÇÃO LTDA-ME - CNPJ: 34.052.986/0001-65 | Peixoto de Azevedo - MT
Desenvolvido por InfocoWeb - 66 9.99774262