Connect with us

Rodrigo Garcia tem articulado para rachar ala bolsonarista
Reprodução/Instagram

Rodrigo Garcia tem articulado para rachar ala bolsonarista

O PSDB aprovou neste sábado a candidatura de Rodrigo Garcia ao governo de São Paulo. Apesar da pressão do União Brasil, os tucanos não bateram o martelo sobre quem ocupará a vice, decisão que deve ficar para o dia 5 de agosto, data-limite prevista em lei.

A vaga de vice na chapa de Garcia vem sendo disputada por dois partidos aliados, União Brasil e MDB. A sigla liderada por Luciano Bivar, pré-candidato à Presidência, que passou recentemente a negociar com o PT, argumenta que seu apoio quase dobra o tempo de televisão do governador paulista, motivo suficiente para garantir a vaga.

Já os emedebistas cobram de Garcia um acordo selado com o ex-prefeito Bruno Covas (morto em maio de 2021) para a escolha do nome, tarefa que agora caberia ao prefeito da capital, Ricardo Nunes. Não por acaso, o ex-secretário municipal de Saúde Edson Aparecido, que é um dos fundadores do PSDB, deixou o partido há três meses para ser vice do governador.

A situação tem desgastado a relação de Garcia com Nunes, que apesar disso marcou presença no evento deste sábado, realizado no Ginásio do Ibirapuera. A aliança com o chefe do Executivo municipal é tida como necessária para a disputa de votos na capital, onde o ex-prefeito Fernando Haddad (PT) leva vantagem, avaliam aliados do governador de São Paulo.

Leia mais:  Garantia de mandato parlamentar

Em discurso antes de Garcia subir ao palco, o prefeito Ricardo Nunes ressaltou a experiência do tucano na máquina administrativa e no Legislativo, afirmando que o governador é do “diálogo” e vai evitar que São Paulo se torne um “ringue” de luta.

A eleição polarizada no estado também pautou falas de dirigentes partidários, como Roberto Freire, presidente do Cidadania, Renata Abreu, do Podemos, e Baleia Rossi, do MDB.

“São Paulo não é para ser dirigido por cabo eleitoral. É para ser dirigido por quem tem raiz, compromisso e a capacidade administrativa”, disse Freire.

Além de Nunes, também compareceram à convenção estadual tucana o presidente nacional do MDB, deputado Baleia Rossi (SP), e o vice-presidente do União Brasil, Antonio Rueda.

O ex-governador João Doria (PSDB), de quem Garcia foi vice, não foi ao evento. Em nota enviada ontem à noite por sua assessoria de imprensa, Doria disse que está em viagem ao exterior, e por isso declinou do convite. Mas reafirmou a “confiança e apoio” na reeleição do aliado.

Leia mais:  Projeto de lei visa frear aumento do preço da cesta básica

O governador chegou ao placo montado no estádio dirigindo seu fusca, ao som de um jingle sertanejo que repete a frase “paulista de raiz”, mote de campanha em contraponto ao ex-ministro da Infraestrutura Tarcísio Gomes de Freitas, que não é nascido no estado.

Guinada à direita

Empatado em segundo lugar com o ex-ministro (candidato do Republicanos) na última pesquisa do Instituto Datafolha, de junho, Garcia tem se esforçado para conquistar o voto de eleitores da direita no estado, uma forma também de se descolar de Doria, cuja rejeição é alta.

Para isso, o governador de São Paulo ampliou alianças com partidos ligados nacionalmente ao presidente Jair Bolsonaro (PL), como PP, Patriotas e parte do PL, e investiu em medidas voltadas para os policiais. A mais recente, um decreto que obriga a Defensoria Pública a oferecer assistência jurídica gratuita aos profissionais.

Garcia também tem flertado com o agronegócio, outra classe ligada ao bolsonarismo: o agro. Na última quinta-feira, ele foi a Presidente Prudente para regulamentar uma lei que permite a transferência de terras do estado a produtores rurais.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Advertisement

Política Nacional

Projeto permite que valor arrecadado com multa financie pagamento por serviços ambientais

Published

on

Elaine Menke/Câmara do Deputados
O papel do financiamento na retomada do crescimento da economia. Dep. Jose Mario Schreiner MDB - GO
Jose Mario Schreiner, autor do projeto de lei

O Projeto de Lei 1506/22 permite que os valores arrecadados com multas ambientais sejam usados para financiar o pagamento por serviços ambientais. O texto tramita na Câmara dos Deputados.

A proposta também permite a conversão das multas em ações do Programa Federal de Pagamento por Serviços Ambientais (PFPSA). Com a medida, o autuado terá descontos na multa ao financiar ações previstas no PFPSA.

O pagamento por serviços ambientais é um instrumento financeiro regulado pela Lei 14.119/21, que remunera produtores rurais, agricultores familiares e comunidades tradicionais que preservam a sua área.

O texto é do deputado Jose Mario Schreiner (MDB-GO). Ele afirma que o objetivo é ampliar o número de fontes de financiamento da Política Nacional de Pagamentos por Serviços Ambientais (PNPSA), que foi instituída pela Lei 14.119/21.

“A aprovação deste projeto de lei trará uma nova fonte de pagamento por serviços ambientais, dinamizando ainda mais o desenvolvimento sustentável no País, com mais empregos e mais incentivos a práticas ecológicas”, diz Schreiner.

Leia mais:  Medidas de proteção a criança vítima de violência doméstica vão à sanção

Ele lembra ainda que dispositivo semelhante estava presente no projeto de lei que deu origem à Lei 14.119/21, mas acabou derrubado durante a votação da matéria no Plenário da Câmara.

Tramitação
O projeto será analisado em caráter conclusivo pelas comissões de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei

Reportagem – Janary Júnior
Edição – Pierre Triboli

Fonte: Câmara dos Deputados Federais

Comentários Facebook
Continue Reading

Política Nacional

“A fome é séria na Europa. Sem o Brasil, passam fome”, diz Bolsonaro

Published

on

Jair Bolsonaro citou Macron em seu discurso
Reprodução/YouTube – 17.08.2022

Jair Bolsonaro citou Macron em seu discurso

Nesta quarta-feira (17), o presidente Jair Bolsonaro alfinetou o presidente da França, Emmanuel Macron, e afirmou que a Europa tem passado por problemas de abastecimento, correndo sério risco da população passar fome. Na opinião dele, o continente europeu necessita do Brasil.

“Há 40 dias, pegou fogo nas poucas florestas da França. Imagina se fosse ao contrário, o que diria o Macron daqui do Brasil. Nós lamentamos, até porque tudo isso está associado à onda de calor, e tem matado muita gente […] Eles estão com problemas sérios e começa a aparecer o fantasma do desabastecimento”, disse o presidente.

Após provocar o presidente francês, Bolsonaro explicou ao público que os incêndios atingiram outros países, como a Espanha. Ele então comentou que os líderes europeus querem fechar o mais rápido possível um acordo com o Mercosul para resolver o problema de desabastecimento. “A fome não é apenas uma preocupação, é uma coisa muito séria na Europa no momento. O mundo sabe que sem o Brasil, eles passam fome”, completou.

Leia mais:  Medidas de proteção a criança vítima de violência doméstica vão à sanção

A fala foi feita durante a reunião com prefeitos de cidades brasileiras no hotel Royal Tulip, em Brasília.

Bolsonaro cutuca Alckmin e Lula

Durante seu discurso, o chefe do executivo federal resolveu defender as ações do seu governo no combate à corrupção e aproveitou para provocar Geraldo Alckmin (PSB) e mandar indireta ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

“Alguns querem voltar? Voltar para que? Voltar para a cena do crime, como disse o seu Geraldo Alckmin? Parece que é o que alguns querem no Brasil”, comentou.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Continue Reading

Política Nacional

Maioria dos candidatos ao Senado é formada por homens brancos, casados e com ensino superior

Published

on

Eleições 2022

Segundo a Justiça Eleitoral, 235 candidatos vão disputar uma das 27 vagas ao Senado em outubro. A maioria é formada por homens brancos, casados e com o ensino superior. A grande parte é formada por políticos, empresários, servidores públicos e médicos. O consultor do Senado, Arlindo Fernandes, afirmou que o perfil dos candidatos é quase o mesmo da legislatura atual. Ao citar que apenas 10% dos postulantes ao Senado são negros, o senador Paulo Paim (PT-RS) destacou que houve um pequeno aumento de pessoas pretas disputando cargos políticos no país como um todo.

Fonte: Agência Senado

Comentários Facebook
Leia mais:  Garantia de mandato parlamentar
Continue Reading

Mais Lidas da Semana

Copyright © 2018 - REDE CENTRO NORTE DE COMUNICAÇÃO LTDA-ME - CNPJ: 34.052.986/0001-65 | Peixoto de Azevedo - MT
Desenvolvido por InfocoWeb - 66 9.99774262