Home » Filha procura pai que saiu para trabalhar em garimpo há quase 40 anos em MT

Filha procura pai que saiu para trabalhar em garimpo há quase 40 anos em MT

por Davi Vittorazzi
filha-procura-pai-que-saiu-para-trabalhar-em-garimpo-ha-quase-40-anos-em-mt

Ela tinha apenas dois anos quando ele saiu de casa para trabalhar em um garimpo em Peixoto de Azevedo

Laureangela Aparecida de Oliveira, de 40 anos, procura pelo pai, Laércio de Oliveira, que saiu de casa para trabalhar no garimpo, no interior de Mato Grosso, e nunca mais voltou. Com o passar dos anos, ela também perdeu a mãe e o irmão, que seriam os únicos familiares e, até hoje, vive com a angústia de não saber o que aconteceu com seu pai.

Laureangela e pai laercio
Pai saiu para garimpo quando ela tinha 2 anos. (Foto: Arquivo)

Ao Primeira Página, Laureangela conta que seu pai tinha vindo de São Paulo, quando conheceu sua mãe e constituíram uma família. Ela tinha apenas dois anos quando ele saiu de casa para trabalhar em um garimpo em Peixoto de Azevedo, a 692 km de Cuiabá, com um irmão dele.

Ela diz que a mãe, quando era viva, nunca soube dizer ao certo sobre o paradeiro de Laércio e que, à época, eles não tinham muito acesso à informação — já que não havia internet e celulares disponíveis como atualmente.

Nos garimpos, é comum que os trabalhadores tenham apelidos, para não serem identificados, por questões de segurança.

  • Quatro litros de cachaça artesanal foram encontrados em cela da PCE, em Cuiabá. (Foto: PJC-MT)

    4 litros apreendidos

    Fábrica de cachaça artesanal é encontrada em cela da PCE em Cuiabá

A mãe dela, após anos sem ter a volta do marido, se envolveu com outra pessoa e não procurou mais sobre Laércio. A mãe morreu em 2013 e o irmão dela em 2018.

“Quero saber o que aconteceu. A gente não tem uma referência, ficou esse vazio. Eu me sinto perdida por não ter um término”, desabafa.

Hoje, morando em Cuiabá, ela é casada e tem três filhos, sendo que dois são especiais, diagnosticados com a síndrome de Joubert, que é uma hereditariedade autossómica recessiva e as suas características principais são: hipotonia, ataxia, atraso mental, movimentos oculares anormais e alterações do ritmo respiratório.

“A esperança é a última que morre e se eu encontrar ele, vai ser muito bom. Mas eu queria saber se tenho primo, tio, avô. Enfim, saber se tem alguém”, completa.

Para ajudar com informações sobre o paradeiro de Laércio de Oliveira, basta entrar em contato a moradora pelo número: (65) 9953-3297.

  • Ataque da onça em Tapurah (Foto: PJC/MT)

    Tapurah

    Perícia investiga se trabalhador morreu por ataque de onça em MT

  • Imagem mostra aplicativo de Carteira do Trabalho

    Veja vagas

    Balcão de Emprego tem vagas para recepcionista, analista e mais

você pode gostar