Home » Investigação revela que delegado e investigador recebiam propina de garimpeiros em MT

Investigação revela que delegado e investigador recebiam propina de garimpeiros em MT

por Davi Vittorazzi
investigacao-revela-que-delegado-e-investigador-recebiam-propina-de-garimpeiros-em-mt

Conforme a Corregedoria da Polícia Civil, Geordan e Marcos Paulo recebiam R$ 2 mil por mês

Investigação da Corregedoria da Polícia Civil revelou que o delegado, Geordan Antunes Fontenelle Rodrigues, e o investigador Marcos Paulo Angeli, que atuavam na delegacia de Peixoto de Azevedo – a 692 km de Cuiabá – recebiam R$ 2 mil por mês de propina da Coogavepe (Cooperativa dos Garimpeiros de Peixoto).

Delegado Geordan Antunes Fontenelle Rodrigues e o investigador Marcos Paulo Angeli, de Peixoto de Azevedo
Delegado e investigador trabalhavam na delegacia de Peixoto de Azevedo. (Foto: Reprodução)

Denúncias apontavam situações como a solicitação de vantagens indevidas, caracterizando a formação e uma associação criminosa no município. O delegado e o investigador foram presos preventivamente nessa quarta-feira (17) durante a Operação Diaphthora.

Acusações

Segundo a Polícia Civil, o delegado e o investigador solicitavam o pagamento de vantagens indevidas para liberação de bens apreendidos; exigiam pagamento de “diárias” para hospedagem de presos no alojamento da delegacia e, ainda, pagamentos mensais sob a condição de decidir sobre procedimentos criminais em trâmite na unidade policial.

O inquérito mostrou que o delegado e o investigador estavam preocupados com os reflexos da Operação Hermes II, da Polícia Federal, já que a cooperativa foi alvo e teve bens bloqueados. Trecho do processo abaixo mostra temor com operação do Ibama e PF:

PF

A defesa do delegado negou as acusações e classificou a prisão como uma medida “extrema”. Não conseguimos contato com a defesa do investigado.

A reportagem entrou em contato com a Cooperativa Coogavepe e aguarda posicionamento.

Teriam cobrado 15 mil para devolver Ranger

O delegado e o investigador também teriam recebido R$ 15 mil para reaver a apreensão de um carro Ford Ranger. O veículo é avaliado é mais de R$ 230 mil.

  • Peixoto de Azevedo

    Delegado, investigador, advogado e garimpeiros são alvos de operação

Em outra ação, eles também teriam cobrado R$ 10 mil para liberar um custodiado, que foi preso em flagrante.

O inquérito ainda aponta que o delgado Geordan teria um contato na Polícia Federal de Sinop e que poderia ajudar com informações no caso de futuras operações contra os garimpeiros.

  • Operação Recovery Ultimato cumpriu 90 mandados de prisão nessa quinta-feira (18). (Foto: PJC-MT)

    ‘Recovery Ultimato’

    Operação mira detento que ordenava assassinatos e cumpre 90 mandados em MT

você pode gostar