conecte-se conosco


Economia

Oi vai sair da recuperação judicial? Entenda como funciona o processo

Publicado


source

O fim da recuperação judicial que a operadora Oi (OIBR3 e OIBR4) enfrenta desde de junho de 2016, com dívidas que chegaram a R$ 65,4 bilhões, representa um dos maiores pedidos dos investidores.

No entanto, para a empresa seguir em frente em sua nova fase, é necessário a aprovação tanto Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) quanto do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

O fim da recuperação judicial estava previsto para encerrar na última segunda-feira (4), mas foi adiado pela justiça, passando a previsão para 30 de março de 2022. Isso porque é fundamental concluir a venda dos ativos da Oi antes.

Leia Também

Quase falência da empresa

Em suma, a empresa de telecomunicações Oi, considerada por muito tempo a maior concessionária de telefonia do país, se envolveu em um dos maiores casos de recuperação judicial da história do Brasil. Desde 2016, a companhia vem acumulando uma dívida de R$ 65 bilhões.

Logo, em dezembro de 2017, a operadora obteve uma aprovação referente ao seu plano de reestruturação. No entanto, este processo vem se arrastando até hoje, sendo prorrogado para o fim de março do ano que vem.

Desse modo, entre as razões para a empresa chegar nessa situação, estão a integração da Oi com a Portugal Telecom, Pegasus e a TNL. Na época da aquisição, as empresas já se encontravam recheadas de dívidas.

Além disso, houveram uma série de aplicações de multas através da Anatel, órgão regulador da companhia. Outro ponto levantado foram as regras de concessões mais específicas, que podem ter prejudicado a companhia e questões do próprio mercado.

Confira a reportagem completa aqui

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Já ouviu falar em stablecoins? Veja o que são esses criptoativos

Publicado


source
Já ouviu falar em stablecoins? Esses criptoativos estão dando o que falar

Já ouviu falar em stablecoins? Esse novo modelo de criptomoeda tem dado o que falar devido ao seu grande desempenho e crescimento exponencial. E m junho de 2020, esses ativos somavam US$ 10 bilhões. Um ano depois, alcançaram US$ 109 bilhões.

Seu sucesso vem da promessa de ser um investimento que combina toda a praticidade digital dos criptoativos e tecnologia blockchain , junto a baixa volatilidade da moeda fiduciária. Assim, sendo altamente estáveis e vinculadas a ativos de reserva.

Se interessou pelo assunto? Então, conheça essa novidade do mercado e veja suas vantagens e desvantagens, segundo Rubens Neistein, Business Manager da CoinPayments.

Leia Também

O que são stablecoins ?

As stablecoins nada mais são do que criptomoedas, semelhantes ao B itcoin (BTC) , porém com uma principal diferença: a estabilidade. Isso porque elas nasceram justamente para acabar com a alta volatilidade, característica comum do mercado das criptoativos.

Essa estabilidade acontece devido a veiculação com ativos de reserva reais, que por sua vez possuem garantia de órgãos reguladores, como dólar, ouro, petróleo ou qualquer tipo de investimento.

A princípio, a principal ideia é que seu valor seja “algo real”, utilizado por pessoas em gastos cotidianos. Dessa forma, o objetivo é que elas alcancem uma segurança e praticidade que as demais criptomoedas.

Diferentes tipos

Existem 4 tipos diferentes de stablecoins . Os mais conhecidos são os chamados “ centralizados”, que possuem um emissor e são atrelados a moedas fiduciárias, como o dólar, libra e euro. Para conseguir um desses ativos, é necessário depositar uma quantia equivalente de dinheiro nas contas dos emissores.

Confira a reportagem completa aqui

Leia mais:  Caixa aumenta pausa na prestação de empréstimo para 180 dias

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Nu Invest passa a aceitar subscrição de ações; veja como usar

Publicado


source

Nesta quarta-feira (20), o Nu Invest, plataforma de investimentos que pertencente ao Nubank, anunciou uma nova experiência no processo de subscrição de ações para investidores, que integrará todos os clientes até novembro.

O intuito da novidade é dar preferência aos investidores, que mesmo elevando seu capital social, podem manter o mesmo nível de participação no negócio. A propósito, este direito já está disponível aos clientes que operam com fundos imobiliários.

“Com este novo modelo, o processo de subscrição do Nubank já é um dos mais completos do mercado. As alterações vêm para melhorar a experiência do cliente, deixando mais com a nossa cara: prático, sem burocracias e letras miúdas”, destaca Fernando Miranda, líder de investimentos do Nubank.

Leia Também

O que é subscrição de ações?

Em suma, a subscrição de ações representa o ato de dar preferência às compras de novas ações aos acionistas da empresa. Logo, isso ocorre quando uma companhia expande seu capital social, emitindo novos papéis. Isto é, realiza uma oferta subsequente.

Sendo assim, a subscrição visa conceder aos investidores atuais a chance de seguir com a mesma porcentagem de participação no negócio. Assim, eles garantirão seus ganhos.

Vale destacar que não é obrigatório o acionista adquirir os novos papéis, mas sim apenas receber essa regalia. Portanto, se ele não comprar as ações, poderá vender o seu direito de compra com outros.

Confira a reportagem completa aqui

Leia mais:  INSS: bombeiros e policiais podem pagar contribuição menor; entenda

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Confira 5 dicas para quem deseja começar a investir no mercado de ações

Publicado


source

Como aponta um levantamento feito pela Bolsa de Valores (B3), no primeiro semestre de 2021, o número de investidores cresceu 43%, totalizando 500 mil novas pessoas. Desta forma, investimentos na renda variável estão cada vez mais em alta e atraindo o interesse dos brasileiros.

Para Lucas Chagas, Head de Parcerias e Novos Negócios da Nelogica, companhia que desenvolve softwares avançados para o mercado financeiro, a alta procura e o crescimento no mercado dos investimentos já era aguardado.

Com efeito, principalmente, da pandemia da Covid-19, houve uma procura grande por novos negócios e maneiras de adquirir renda extra. Por outro lado, mesmo com as informações mais acessíveis, é fundamental estudar bastante antes de iniciar as negociações na Bolsa de Valores.

Pensando nisso, Lucas Chagas listou 5 dicas essenciais para quem busca se aprofundar mais no mercado financeiro:

Leia Também

1 – Estudar antes de começar

Em primeiro lugar, o ideal é estudar bastante sobre o mercado de ações, como ele opera e funciona. Visto que o mesmo pode apresentar bastante volatilidade, os requisitos iniciais são o estudo e cautela.

Desse modo, a pessoa interessada deve estudar e compreender o mercado, taxa Selic, o que significa uma bolsa de valores, entre outros pontos essenciais que devem estar claros.

Para Lucas, atualmente, existe a possibilidade de compreender a Bolsa de Valores através de simulações, evitando aplicações de capital sem a preparação necessária.

2 – Organizar o dinheiro

Sendo assim, para iniciar uma operação na Bolsa, a pessoa deve ter uma noção exata sobre a sua situação financeira no momento.

Portanto, a mesma não pode depositar todas as suas economias em apenas um investimento, mas sim analisar qual o melhor aporte financeiro e desenvolver uma cultura de investimento mensal. No entanto, vale destacar que será essencial cortar os gastos e controlar melhor o dinheiro.

Confira a reportagem completa aqui

Leia mais:  INSS: STJ permite revisão da aposentadoria mesmo após a morte; entenda

Comentários Facebook
Continue lendo

BRABINHO OURO INFORMA

R$ 308,54

Peixoto de Azevedo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Política Nacional

Mais Lidas da Semana





Copyright © 2018 - REDE CENTRO NORTE DE COMUNICAÇÃO LTDA-ME - CNPJ: 34.052.986/0001-65 | Peixoto de Azevedo - MT
Desenvolvido por InfocoWeb - 66 9.99774262