Home » Polícia Federal realiza Operação Ankara contra extração clandestina de madeira em Terra Indígena Aripuanã

Polícia Federal realiza Operação Ankara contra extração clandestina de madeira em Terra Indígena Aripuanã

por Rebeca Moraes
policia-federal-realiza-operacao-ankara-contra-extracao-clandestina-de-madeira-em-terra-indigena-aripuana

Nesta quarta-feira (15), a Polícia Federal desencadeou a Operação Ankara, visando desarticular um esquema de extração clandestina de madeira na Terra Indígena Aripuanã. Foram cumpridos oito mandados de busca e apreensão nas cidades de Aripuanã, Espigão D’Oeste (RO) e Tocantins (MG). Além disso, a Polícia realizou o sequestro judicial de bens dos suspeitos, avaliados em R$ 1.256.826,97.

O objetivo da operação é recuperar as áreas degradadas, os rendimentos ilícitos auferidos pelo grupo e investigar movimentações financeiras suspeitas de lavagem de capitais. Vídeos mostram policiais federais em uma das madeireiras alvos da operação, onde foram encontradas máquinas pesadas e centenas de madeiras cortadas prontas para a comercialização.

As investigações tiveram início após uma fiscalização conjunta da Polícia Federal com o Ibama, em julho de 2022, próxima à Aldeia Paralelo 10, em um ramal que dá acesso à Terra Indígena. Durante a operação, um homem autointitulado “Turco” foi abordado, conduzindo uma caminhonete bandeirante branca, e foram encontradas ferramentas destinadas à manutenção de maquinário pesado, além de documentos contábeis relacionados à exploração de madeira.

Uma equipe de investigadores encontrou várias toras de madeira aguardando transporte e uma máquina trator esteira utilizada para extração de madeira. A investigação revelou a existência de uma organização criminosa dedicada ao desmatamento ilegal, extração e comercialização ilegal de madeira em Terra Indígena, com o apoio de alguns indígenas.

[Continua depois da Publicidade]

O grupo inseria dados falsos no sistema Sisflora para conferir legalidade à transação e transporte da madeira, visando sua comercialização no mercado interno. O nome da operação, Ankara, faz referência à capital da Turquia, em alusão ao principal alvo da investigação, que se autodenomina “Turco”.

você pode gostar