Home » Protocolo Antirracista se torna lei em Mato Grosso para combater discriminação em locais públicos

Protocolo Antirracista se torna lei em Mato Grosso para combater discriminação em locais públicos

por Rebeca Moraes
protocolo-antirracista-se-torna-lei-em-mato-grosso-para-combater-discriminacao-em-locais-publicos

O Estado de Mato Grosso deu um passo significativo na luta contra o racismo ao sancionar a Lei nº 12.479/2024, que institui o Protocolo Antirracista. O protocolo estabelece medidas preventivas e de acolhimento para vítimas de discriminação em estabelecimentos de grande circulação de pessoas.

A lei visa combater o racismo que muitas vezes ocorre em locais públicos, preservando a integridade e os direitos das pessoas negras.

O texto da legislação reconhece que o racismo é um crime inafiançável no Brasil, estabelecendo que estabelecimentos comerciais não podem se recusar a atender, servir ou receber pessoas com base em características raciais.

Mato Grosso figura como o 5º Estado com maior taxa de casos de injúria racial no país, conforme dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública de 2022.

[Continua depois da Publicidade]

Disposições do Protocolo Antirracista

O protocolo abrange diversos estabelecimentos, como supermercados, shoppings, universidades, órgãos públicos, entre outros, com 10 funcionários ou mais. Entre as medidas previstas, estão:

  • Disponibilização de material informativo sobre canais de denúncia visíveis nos locais;
  • Treinamento da equipe para identificar situações de racismo e acolher vítimas;
  • Destacamento de funcionários treinados para lidar com casos e acolher vítimas;
  • Incentivo à criação de políticas de paridade racial no quadro de funcionários e cargos de administração;
  • Espaço físico reservado para acolhimento da vítima, acompanhada por um profissional treinado;
  • Acionamento imediato das autoridades policiais e de combate à intolerância, com ações realizadas com discrição para proteção da vítima;
  • Preservação de evidências, como imagens de câmeras de segurança, e garantia de acesso às autoridades e vítimas para identificação de suspeitos e testemunhas;
  • Agilidade no auxílio à coleta de provas e facilitação da identificação de testemunhas.

Regulamentação e fiscalização

A aplicação da lei agora depende do Poder Executivo para sua regulamentação e fiscalização. Caberá ao governo estadual implementar sanções em caso de descumprimento, assegurando a efetividade do Protocolo Antirracista e a proteção das vítimas de discriminação racial em Mato Grosso.

você pode gostar